Canais de Notícia

Trabalho

Publicada em 11/02/2013

UEMS e Biosul estreitam parceria e formam profissionais para o setor

As 24 usinas instaladas no Estado fazem com que o setor seja o terceiro maior empregador, com 29.562 trabalhadores na última safra.

Biosul

Cerca de 40% dos profissionais formados pelo Curso Tecnológico em Produção Sucroalcooleira, da UEMS - Universidade Estado de Mato Grosso do Sul - já estão nas indústrias de Mato Grosso do Sul. As informações são do professor Laércio Alves de Carvalho, responsável pela área de Manejo de Solos em Áreas de Cana-de-açúcar.

"Essa formação de profissionais qualificados para o segmento é resultado de uma parceria entre a Biosul (Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul) e a Universidade. A Biosul nos ajudou a levantar quais as matérias e assuntos que deveriam ser abordados no curso para melhor qualificar esses acadêmicos", pontuou o professor.

"Existe uma demanda por trabalhadores qualificados e, com novas usinas começando a operar, as oportunidades tendem a aumentar", destaca o presidente da Biosul, Roberto Hollanda Filho. As 24 usinas instaladas no Estado fazem com que o setor seja o terceiro maior empregador, com 29.562 trabalhadores na última safra, conforme apontam os dados da RAIS - Relação Anual de Informações Sociais. Essa demanda reflete-se também nos salários pagos pela empresas, considerados o terceiro maior na agricultura, com salário médio de R$ 1.487,00, e o primeiro da indústria, com pagamento médio R$ 1.753,00.

Para o professor da Universidade, a parceria com a Biosul deu credibilidade e conhecimento aos acadêmicos para que pudessem levar o conhecimento técnico para a vida prática. "Este número de profissionais empregados representa a aceitabilidade e a responsabilidade do curso com a sociedade, pois atende a demanda regional e possibilita inserção rápida aos futuros egressos do curso", comentou.

Conforme o presidente da Biosul, o segmento, na última safra, gerou 30 mil empregos diretos e outros 90 mil indiretos. "O perfil dos empregos mudou muito no setor. Atualmente o segmento tem na sua maioria empregos fixos - 83% -, os demais são safristas", analisa Hollanda Filho.

A mecanização tem delineado profissionais mais qualificados e, por consequência, com salários melhores. Hoje, Mato Grosso do Sul está a frente dos demais no quesito mecanização. A safra já é 94,3% feita por meio de maquinários, tanto no plantio, como na colheita.

A empregabilidade dos alunos matriculados no Curso Tecnológico em Produção Sucroalcooleira da UEMS/Glória de Dourados se revela nos números. Dos 46 alunos matriculados na primeira série, 15% já trabalham no setor. Em relação aos alunos da segunda série o percentual de empregabilidade sobe para 25% e na terceira série chega a casa dos 40%.