Canais de Notícia

Trabalho

Publicada em 27/02/2015

MS integra rede de ensino à distância do Senar a partir deste sábado

O primeiro Curso Técnico em Agronegócio tem sua aula inaugural neste sábado.

Mato Grosso do Sul está inserido no programa Rede e-Tec Brasil do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). O primeiro Curso Técnico em Agronegócio tem sua aula inaugural neste sábado (28/02), com turmas estruturadas em 17 polos de apoio presencial, distribuídos também por Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Santa Catarina, Sergipe e Rio de Janeiro, somando oito estados nos quais o projeto estará presente.

No Estado, os polos presenciais estão localizados nos municípios de Dourados, Maracaju e Inocência, nas sedes dos sindicatos rurais. No total, o Estado tem 180 pessoas aprovadas no processo seletivo da Rede e-Tec realizado em dezembro do ano passado. O curso terá carga horária total de 1.230 horas/aulas e além de ser totalmente gratuito oferecerá material didático e tutoria presencial.

Para os primeiros 1.250 alunos selecionados a perspectiva não poderia ser mais animadora. “O processo de formação do Senar na Rede e-Tec Brasil vai abrir caminhos para o sucesso profissional desses jovens no setor que sustenta a economia do nosso País. Esperamos que todos arregacem as mangas, se dediquem muito e se comprometam com a aprendizagem para aproveitar, ao máximo, a oportunidade de fazer um curso de qualidade, totalmente gratuito”, afirma João Martins, presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Conselho Deliberativo do Senar.

O secretário executivo do Senar, Daniel Carrara, vai além. “Os profissionais que vão ser formados pela Rede e-Tec Brasil no Senar neste curso inicial já têm mercado de trabalho garantido em nosso próprio Sistema”. O secretário prevê a absorção dos alunos pelo Programa de Assistência Técnica e Gerencial com Meritocracia, criado pelo Senar em 2013 para ajudar a sanar a lacuna existente na área. Segundo o último Censo Agropecuário realizado pelo IBGE, apenas 9,3% dos produtores rurais recebem visitas regulares de órgãos governamentais de assistência técnica.

“Oferecer a assistência técnica, aliada à formação, sempre foi uma meta do Senar e, pra isso, precisamos investir na educação profissional” – explica Daniel Carrara. Segundo ele, atualmente, o Senar conta com 2 mil técnicos em campo, assessorando os produtores rurais. “Precisamos de mais técnicos, precisamos de pessoas para orientar adequadamente o produtor”.

Com o início deste seu primeiro curso de nível técnico, a distância, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural ingressa efetivamente na educação formal, participando do programa Rede e-Tec Brasil do Ministério da Educação. O curso Técnico em Agronegócio, com duração de dois anos, é gratuito e voltado para a realidade do campo, tanto no que diz respeito ao conteúdo como na formatação.

A maioria das aulas é a distância, mas com encontros presenciais ao longo dos semestres e calendário definido nos polos. As atividades a distância serão mediadas pelo tutor no Ambiente Virtual de Aprendizagem – AVA do SENAR. Os alunos também recebem materiais de apoio, como DVD com videoaulas e apostilas impressas de cada disciplina. As atividades presenciais acontecem nos polos de apoio presencial e nas saídas de campo, ambas com supervisão da tutoria presencial.

Mais educação, mais riqueza

Tanto para o MEC como para o Senar, o início das aulas do Curso Técnico em Agronegócio pela Rede e-Tec marca a largada de um processo de democratização do ensino formal nos campos brasileiros. Uma ação que o secretário de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, Marcelo Feres, considera fundamental para o desenvolvimento do País. “Estamos vivendo um momento importante de expansão da educação profissional, oferecendo cursos voltados para a realidade do campo, a realidade do setor agropecuário, cursos que atendem ao público de um setor que é estratégico para o desenvolvimento do País”. Para Marcelo Feres, o SENAR é o parceiro ideal para esta empreitada. “O Senar é uma rede importante, com tradição de formação no Brasil rural e já vem participando conosco do Pronatec desde o início da implantação do programa”.

Carlos Artur Arêas, coordenador geral de Fortalecimento dos Sistemas Públicos de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, também considera fundamental a aliança com o Senar para expansão do ensino de nível médio no campo. “Esperamos que a qualidade aplicada em todas as ações do Senar no Pronatec seja agora replicada na Rede e-Tec Brasil, e que ele seja um parceiro não só na execução, mas também no planejamento, desenvolvimento e na construção do projeto que a gente imagina pra educação a distância, o ensino técnico e a educação profissional em nosso País”.

Existe hoje o consenso de que a educação é um “calcanhar de Aquiles” para o desenvolvimento nacional e, em se tratando do setor agropecuário, ela é ainda mais vital para a economia. “O setor é responsável por um terço dos empregos do nosso país, um terço do PIB e pela segurança da nossa balança comercial” – observa o secretário executivo do Senar. Para ele, não há como seguir avançando sem a profissionalização do agronegócio. “Existe hoje um nível de tecnologia que demanda mais do que treinamentos operacionais. O setor rural precisa se profissionalizar em termos de gestão. Precisamos de pessoas preparadas e é esse ganho de qualidade que o Senar está trazendo para a agropecuária”.

Mais qualidade para a educação no campo

Com a experiência acumulada ao longo de 24 anos atuando na promoção social e qualificação profissional, o Senar é considerado atualmente a maior escola aberta do planeta, já que grande parte das ações acontecem em campo. Suas administrações regionais estão presentes em todas os Estados, alcançando, a cada ano, mais de 1 milhão de brasileiros ligados à terra. Para levar o conhecimento às localidades mais remotas do País, desde 2009, o Sistema atua também na educação à distância e, em 2011, estabeleceu com o MEC a parceria que já garantiu a capacitação de 90 mil homens e mulheres do campo pelo Pronatec.

Enquanto expande suas fronteiras, o Senar também investe na qualidade do ensino que oferece. Trilhando um novo caminho, a partir de 2013, iniciou a implantação de escolas e centros de excelência especializados em diversas cadeias produtivas. As novas unidades vão operar como uma rede integrada de educação presencial, oferecendo cursos técnicos de nível médio e cursos tecnológicos de nível superior. Segundo Daniel Carrara, a participação na Rede e-Tec Brasil é mais um avanço do Senar rumo à meta de garantir melhor qualidade de vida do Brasil rural. “Precisamos democratizar o crescimento da renda no setor rural e isso só é possível com a formação profissional”.