Canais de Notícia

Trabalho

Publicada em 25/08/2014

Indústria de MS tem saldo positivo na geração de emprego

De janeiro a julho, o setor obteve saldo positivo de 627 novas vagas .

Da Fiems

O setor industrial de Mato Grosso do Sul, composto pelas indústrias de transformação, de extrativismo mineral, de construção civil e de serviços de utilidade pública, obteve, no período de janeiro a julho deste ano, saldo positivo na contratação de trabalhadores em 109 atividades, proporcionando a abertura de 5.872 vagas, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Entre as atividades industriais com saldo positivo de pelo menos 100 vagas, destacam-se a fabricação de açúcar (+1.229), construção de edifícios (+702), construção de rodovias e ferrovias (+638), abate de reses (+354), fabricação de álcool (+200), obras de terraplanagem (+162), fabricação de celulose (+150), fabricação de calçados (+143), captação, tratamento e distribuição de água (+137), instalações elétricas (+135), fabricação de alimentos para animais (+111), abate de suínos, aves e outros pequenos animais (+109), produção de ferroligas (+103) e fabricação de amidos e féculas de vegetais e de óleos de milho (+102).

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, entretanto, no mesmo período, 95 atividades industriais apresentaram saldo negativo em Mato Grosso do Sul, proporcionando o fechamento de 5.245 vagas. Entre as atividades industriais com saldo negativo de pelo menos 100 vagas, destacam-se obras de engenharia civil não especificadas anteriormente (-3.013), fabricação de artefatos de concreto, cimento, fibrocimento, gesso e materiais semelhantes (-294), obras para geração e distribuição de energia elétrica e para telecomunicações (-267), montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas (-190) e fabricação de fios, cabos e condutores elétricos isolados (-103).

“De janeiro a julho deste ano, a indústria foi responsável pela abertura de 627 novos postos de trabalho em Mato Grosso do Sul. O saldo obtido no período fez com que o total de indivíduos empregados nas atividades industriais desenvolvidas no Estado alcançasse o equivalente a 141.776 trabalhadores. A indústria responde atualmente pelo segundo maior contingente de trabalhadores formais empregados no Estado, com participação de 22% sobre o total, atrás somente do setor de serviços, que emprega formalmente 181.987 trabalhadores com participação equivalente a 28,2%”, informou Ezequiel Resende.

Municípios

Em relação aos municípios, constata-se que em 45 deles as atividades industriais registraram saldo positivo de contratação no período indicado, proporcionando a abertura de 5.002 vagas. Entre as cidades com saldo positivo de pelo menos 100 vagas, destacam-se Campo Grande (+1.129), Angélica (+621), Rio Brilhante (+299), São Gabriel do Oeste (+286), Dourados (+245), Chapadão do Sul (+233), Aparecida do Taboado (+217), Anastácio (+216), Fátima do Sul (+171), Nova Andradina (+169), Itaquiraí (+155), Maracaju (+150), Coxim (+131), Camapuã (+111), Paraíso das Águas (+105) e Corumbá (+101).

Também no mesmo período, em 29 municípios as atividades industriais registraram saldo negativo, proporcionando a fechamento de 4.375 vagas. Entre as cidades com saldo negativo de pelo menos 100 vagas, destacam-se Três Lagoas (-3.426), Iguatemi (-224), Porto Murtinho (-154), e Ribas do Rio Pardo (-138). “As demissões ocorridas aconteceram, em sua maior parte, em três atividades da indústria da construção (obras de engenharia civil não especificadas anteriormente, obras para geração e distribuição de energia elétrica e para telecomunicações e montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas) que, somadas, totalizaram o fechamento de 3.470 vagas”, explicou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems.

Ezequiel Resende reforça que, adicionalmente, tais demissões ocorreram basicamente no município de Três Lagoas, onde as três atividades mencionadas foram responsáveis por 3.505 demissões. “Como indicado nos levantamentos anteriores, o fator de maior peso no desempenho observado para o município decorre, possivelmente, do encerramento de atividades ligadas à construção da Fábrica de Nitrogenados da Petrobras. Excluindo-se as três atividades responsáveis pelos maiores volumes de demissões, o saldo em Três Lagoas seria positivo em 221 vagas, com destaque para fabricação de celulose e outras pastas para fazer papel, fabricação de calçados de material sintético e fabricação de artefatos têxteis para uso doméstico que apresentaram saldo positivo de contratações de 150, 123 e 82 vagas, respectivamente”, detalhou.