Canais de Notícia

Equipamentos

Publicada em 05/02/2015

Case IH espera semestre aquecido em vendas de máquinas agrícolas

Show Rural Coopavel, começou de forma positiva e com negócios acima da média.

Da Case IH

A Case IH espera um primeiro semestre positivo nas vendas de tratores agrícolas e colheitadeiras de grãos, alavancado principalmente pela disponibilidade de crédito e pelas taxas atraentes do Finame-Moderfrota. Segundo Mirco Romagnoli, vice presidente da marca para a América Latina, “enquanto o mercado espera uma leve queda ao longo de 2015, a Case IH deve fechar o ano levemente melhor que 2014”. A estimativa foi apresentada durante coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira, em Cascavel (PR), durante a 27ª edição do Show Rural Coopavel.

Primeira grande feira do calendário agrícola, o Show Rural Coopavel é considerado um termômetro para o mercado de máquinas agrícolas. Neste ano, o movimento e as intenções de negócios registradas nos primeiros dias estão surpreendendo. “As boas condições climáticas de toda Região Sul, a perspectiva de alta produtividade e de boa renda para o setor estão incentivando o produtor a comprar”, afirma Romagnoli.

Segundo o executivo, a Case IH registrou vendas acima da média com 10% de incremento em relação aos primeiros dias da mesma feira em 2014.

Nos últimos dez anos, a marca foi a que mais cresceu no setor: 28 vezes em tratores e oito vezes em colheitadeiras sobre a sua base anterior. Durante a entrevista, o vice presidente enfatizou a linha de tratores Farmall Série A e Puma, com mais de 100cv, que permitirão a Case IH disputar pela primeira vez um segmento que representa 25% do mercado brasileiro. Para atender esse crescimento, a Case IH investiu no fortalecimento da sua rede, que passou de 59 lojas em 2009, em todo o Brasil, para 120 lojas no final de 2014.

Tendências

Seguindo as tendências de mercado, a Case IH aposta em diferenciais para redução dos custos operacionais nas lavouras. Entre os principais destaques estão a linha completa de tratores, pulverizadores, plantadeiras e colheitadeiras, todos cobertos com as soluções AFS de agricultura de precisão.

Existe, em toda a história do agronegócio brasileiro, uma tendência positiva de crescimento na produção e no investimento em tecnologias eficientes. O setor é estratégico para a economia nacional, especialmente neste ano, quando estará atrelada ao seu desempenho. Representando cerca de 23% do PIB brasileiro e 40% do faturamento com exportações, a agroindústria tem sido o único setor com crescimento expressivo, abrindo espaço para o desenvolvimento das demais áreas.

Tal performance só foi possível porque o agricultor brasileiro está posicionado entre os mais competentes do mundo. Mais do que conhecer as técnicas de produção, o empreendedor precisou manter positiva a relação entre receita e custos. Uma gestão profissional alinhando boas práticas e investimento em tecnologias garante o crescimento contínuo dos negócios.

A Case IH se posicionou no mercado brasileiro estimulando a agricultura de alto rendimento ao apresentar, já no fim da década de 1990, as primeiras colheitadeiras com sistema axial e os tratores com o mais elevado índice tecnológico do mercado. Mirco Romagnoli comenta que as escolhas da marca em fornecer tecnologia de ponta refletem os bons resultados de hoje. "Fomos a primeira empresa a fornecer tratores de alta gama e hoje, cerca de 40% do mercado acima de 230 CV são Magnum Case IH". O mesmo vale para a evolução das colheitadeiras, pois mais de 67% das colheitadeiras vendidas em 2014 possuem o sistema axial de colheita. "Somos a marca que tem a mais completa linha de colheitadeiras com essa tecnologia", garante ele.