Canais de Notícia

Logística

Publicada em 08/05/2014

CCR MSVia mostra na Assembleia os benefícios da concessão da BR-163

Audiência pública foi realizada nesta quarta-feira, em Campo Grande.

Da assessoria

O Diretor Presidente da CCR MSVia, Maurício Negrão, esteve na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira (07), às 14h, para falar sobre as vantagens e os benefícios do projeto de concessão da BR-163/MS. A visita do empresário atendeu a um convite do Deputado Júnior Mochi, que promoveu uma Audiência Pública para tratar dos Impactos Sociais e Econômicos da BR-163 nos municípios de Mato Grosso do Sul.

A BR-163/MS tem 847,2 quilômetros de extensão, cruzando 19 cidades, entre elas a capital do Estado, Campo Grande. Mais de 1,3 milhão de habitantes são servidos pela rodovia, que tem papel fundamental na logística de transporte da agroindústria, do comércio e do turismo. A rodovia liga o Estado de Norte a Sul, entre as cidades de Mundo Novo (divisa com o Paraná) e Sonora (divisa com o Mato Grosso).

A concessão da BR-163/MS à Iniciativa Privada deve gerar 4 mil empregos, 90% dos quais para trabalhadores residentes no Estado. Entre as novas vagas estão 500 postos de trabalhos gerados pelo SAU – Serviço da Atendimento ao Usuário. Entre outros, a CCR MSVia mobilizará 259 profissionais de Atendimento Pré-Hospitalar, entre eles 35 médicos que trabalharão em plantões 24 horas.

O SAU envolverá o atendimento a motoristas, passageiros e pedestres aio longo da vioa, com equipes distribuídas ao longo da BR-163/MS, em 17 Bases Operacionais e uma frota composta por 17 Ambulâncias-resgate (sendo 5 UTIs), 25 guinchos (entre leves e pesados), 19 inspeções de tráfego e 11 caminhões de serviço.

Primeira fase da duplicação em até 18 meses - Nos cinco primeiros anos de concessão estão previstos investimentos de R$ 3,4 bilhões (a valores de janeiro de 2014) para a realização de obras que contemplem a duplicação completa da rodovia, além de implantação e operação dos serviços de operação, entre outros.

A primeira fase da duplicação envolve 10% do total (80,6 km) e deverá ser executada em até 18 meses. Nesse intervalo de tempo, serão realizados os Trabalhos Iniciais, que envolvem ações de correção de desníveies, reparos localizados e recomposição emergencial do pavimento, recomposição de faixas e placas de sinalização, reparos e recuperação de viadutos e pontes, limpeza e desobstrução de sistemas de drenagem, entre outros.