Canais de Notícia

Agrícola & Iindustrial

Publicada em 03/07/2013

Produção de trigo aumenta na região central do Brasil, diz Embrapa

Embrapa aponta aumento em MG, GO, MS, BA e DF.

MAPA

A produção de trigo no Brasil Central (Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, oeste da Bahia e Distrito Federal) terá um aumento em torno de 10% na safra deste ano. O acréscimo na produção acompanha o crescimento de áreas plantadas na região. Em Minas Gerais, foram 28 mil hectares com a cultura, em Goiás, 12 mil e no Mato Grosso do Sul, 10 mil hectares. O oeste da Bahia e o Distrito Federal plantaram, respectivamente, mais mil e 1,5 mil hectares. Com o crescimento das áreas de plantio de trigo e, consequentemente, com o aumento da produção, a triticultura no Brasil Central recupera a redução verificada nas últimas duas safras e reflete o aquecimento do setor em todo o país.

No Brasil, a área de plantio de trigo, este ano, alcançou dois milhões de hectares e a estimativa de produção é de mais de cinco milhões de toneladas de trigo. “O cenário é positivo em função dos bons preços, os estoques reduzidos e uma demanda aquecida no mercado nacional e internacional”, avalia o pesquisador Julio Albrecht, da Embrapa Cerrados (Planaltina-DF), unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Para o pesquisador, a área plantada no Brasil Central só não foi maior por causa do alto preço do feijão, que fez com que os agricultores preferissem substituir a cultura. No entanto, muitos produtores optaram por plantar o trigo pela necessidade de fazer rotação de culturas. Isso porque o trigo, como gramínea, é uma planta supressora de doenças do solo principalmente em áreas irrigadas por pivô central.

Com a forte demanda pelo trigo nacional, ocasionada pela alta valorização do dólar, os preços seguem em alta no mercado. De acordo com Albrecht, o produtor que ainda dispõe de trigo está comercializando a tonelada por R$ 850. A partir de setembro, com a entrada no mercado da safra oriunda do Cerrado, o preço deve cair e ficar entre R$ 750 a R$ 800, a tonelada. O triticultor da região central do Brasil tem a vantagem de o trigo do Cerrado ser o primeiro colhido no país, o que favorece a sua comercialização. Além dos preços de mercado, é também o período de escassez do produto por ser a entressafra da produção nacional.

Doenças

Atualmente, a maior parte do trigo cultivado com irrigação no Cerrado está no estágio do “espigamento”. Essa fase é considerada crítica em relação à incidência de doenças. O principal risco é a brusone, doença provocada pelo fungo Pyricularia grisea. O sintoma típico da brusone é o branquiamento parcial da espiga, comumente da metade para o ápice. Embora possa afetar outras partes da parte aérea da planta, como as folhas, é mais comum, principalmente no Cerrado, atingir as espigas. Nas folhas, as lesões são elípticas com o centro claro acinzentado e as margens de cor marrom escuro.

Para diminuir a intensidade da doença, os produtores devem antecipar as aplicações de fungicidas. A primeira aplicação deve ocorrer logo no início do “espigamento” e as duas seguintes a cada 10 dias. Se as condições climáticas não estiverem favoráveis ao surgimento da doença, esse intervalo pode ser estendido para 15 dias. As lavouras que ainda estão na fase anterior ao “espigamento” também devem antecipar as aplicações preventivas.

“Como estão ocorrendo chuvas anormais para esta época do ano, o produtor, que ainda estiver com sua lavoura na fase de emborrachamento, pode adiantar as aplicações”, recomenda Albrecht. De acordo com o pesquisador, os fungicidas mais indicados para evitar o avanço da doença na lavoura são os produtos com as misturas dos princípios ativos estrobirulina e triazol. Outro produto que tem sido eficiente no controle da brusone é o que contém carbendazin mais estrobirulina e triazol.

Variedades de trigo

Nesta safra, as variedades da Embrapa - BRS 264 e BRS 254 - ocupam 90% da área plantada de trigo no Cerrado, sendo a maior parte (60%) com a BRS 264. Essa variedade, classificada como trigo classe pão, foi a mais plantada pela sua precocidade (seu ciclo é de 115 dias) e pelo seu alto potencial de produção, de 7,5 toneladas por hectare. Já a BRS 254 produz trigo classe melhorador, com uma produtividade de 6,5 toneladas por hectare, e seu ciclo é de 125 dias.

Em 2014 serão lançadas para a região do Cerrado duas variedades para plantio de trigo irrigado e uma variedade para cultivo de trigo sequeiro (safrinha), oriundas do programa de melhoramento de trigo da Embrapa. Esses materiais possuem como principais características qualidade industrial para panificação, conforme exigências do mercado, e alto potencial de produtividade, superando as taxas de produção da BRS 264 e BRS 254.

Atualmente, as novas variedades estão em fase de multiplicação de sementes pela Embrapa Produtos e Mercado. Parcelas desses materiais poderão ser vistas pelos produtores, em setembro próximo, quando será realizado um Dia de Campo sobre trigo, em Brasília/DF, no PAD-DF (Programa de Assentamento Dirigido do Distrito Federal), em parceria com a Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal Coopadf.

O programa de melhoramento de trigo da Embrapa para a região do Cerrado do Brasil central é desenvolvido pelas unidades Embrapa Trigo e Embrapa Cerrados e conta com a parceria da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), da Cooperativa Agropecuária do Alto Paranaíba de São Gotardo (MG) (Coopadap), Cooperativa Agrícola de Unaí (Coagril) e Cooperativa Agrícola Serra dos Cristais (Coacris), de Cristalina (GO), da indústria moageira da região como o Moinho Buriti, Moinho da Vilma Alimentos, JP Moinhos e o Moinho da BUNGE Alimentos. O programa também tem como parceiros a Fazenda Pamplona da Empresa SLC Agrícola, localizada em Cristalina (GO) e a Fazenda Decisão de propriedade do Sr. Nelsir Zancanaro, localizada em Unaí (MG).