Canais de Notícia

Agrícola & Iindustrial

Publicada em 08/04/2013

Polo de grãos e cana em MS registra chuvas acima da média em março

Na região de Dourados choveu o dobro do volume histórico do mês.

A região de Dourados, polo de produção de grãos e de cana-de-açúcar em Mato Grosso do Sul, registrou no mês de março um dos maiores volume de chuvas dos últimos 34 anos no período, segundo dados da Estação Agrometeorológica da Embrapa Agropecuária Oeste.

Conforme a Embrapa Agropecuária Oeste, em março deste ano choveu 321 milímetros, mais que o dobro da média histórica para o mês, que é de 142 milímetros. O pesquisador da entidade, Carlos Ricardo Fietz, destaca que durante o mês houve dez dias chuvosos consecutivos e que somente em um dia, 18, a precipitação chegou a 101 milímetros em apenas sete horas.

Em razão das chuvas abundantes, os solos da região de Dourados estiveram em condições satisfatórios de umidade durante todo o mês, principalmente, na segunda quinzena. Porém, de 24 de março a 1º de abril, não foram registradas chuvas, mas esses nove dias sem chuvas não prejudicaram a umidade do solo que apresentava armazenamento de água em níveis elevados.

"O milho semeado até 10 de março, foi grandemente beneficiado com essas chuvas, pois durante todos os dias desse mês as condições de umidade do solo foram ideais, o que tem proporcionado o desenvolvimento positivo da cultura semeada no período recomendado pelo zoneamento agrícola", destaca Fietz.

Ele explica ainda que a região enfrentou um período de verão muito seco e com forte déficit hídrico. As chuvas esperadas para dezembro (média esperada: 184mm, média ocorrida: 60mm) e janeiro (média mensal: 164mm, média ocorrida: 77mm) ficaram muito abaixo das médias, prejudicando o desenvolvimento e a produção da cultura da soja.

Mas, já em fevereiro, o déficit hídrico foi superado, pois era esperada uma chuva média mensal de 144mm e choveu 244mm. "A partir de 10 de fevereiro, a umidade do solo na região voltou a apresentar condições favoráveis que permanecem até o momento", salienta o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste.

(*Com informações da Embrapa Agropecuaria Oeste)