Canais de Notícia

Agrícola & Iindustrial

Publicada em 08/01/2013

MS deve fechar safra 2012/2013 com moagem de 37 mi de t, projeta Biosul

Usinas moeram até a primeira quinzena de dezembro 36,5 milhões de toneladas.

Anderson Viegas*

Mato Grosso do Sul deve encerrar a safra 2012/2013 da cana-de-açúcar com uma moagem de 37 milhões de toneladas nas 22 usinas de seu parque industrial sucroenergético, conforme previsão da Associação dos Produtores de Bioenegia do Estado (Biosul), o que representará um incremento de 9,6% em relação ao ciclo 2011/2012, quando foram processadas 33,8 milhões de toneladas.

A Biosul aponta que as usinas sul-mato-grossenses moeram até o dia 15 de dezembro, 36,4 milhões de toneladas de cana. O volume, mesmo com o processamento ainda em andamento, já é 7,6% maior do que o registrado em todo a safra passada.

A entidade reiterou que com essa quantidade de matéria-prima, que representa a quebra de um recorde histórico para o Estado, também houve incremento na produção de açúcar e etanol. A fabricação do alimento cresceu até a primeira quinzena de dezembro 8,69% em comparação com todo o ciclo passado, saltando de 1,588 milhão de toneladas para 1,726 milhão de toneladas.

Já a produção do biocombustível teve um incremento ainda mais expressivo, 14,22% na parcial da safra 2012/2013 frente a totalidade do ciclo 2011/2012, passando de 1,632 bilhão de litros para 1,864 bilhão de litros.

O mix de produção, ou seja, a quantidade de cana que é destinada para a fabricação de cada produto, sofreu uma pequena variação positiva para o etanol, passou de 62,6% no ciclo passado para 63,7% no atual. Já o do açúcar caiu de 37,3% para 36,2% na comparação das duas safras.

O presidente da Biosul, Roberto Hollanda, destacou que a produção de cana no Estado passa por um momento de recuperação. “Apesar de termos um aumento na moagem de cana de 60% na primeira quinzena de dezembro em relação ao ano passado, estamos ainda em um cenário de recuperação. A produção está crescendo, mas ainda não é o esperado. Em 2012 tivemos alguns inconvenientes como chuva acima da média nos meses de abril, maio e junho nas regiões produtivas”, avaliou.

A entidade projeta que algumas unidades, aproveitando a disponibilidade de cana e os períodos de estiagem possam prolongar a safra até março de 2012.

(*Com informações da Fiems)