Canais de Notícia

Agrícola & Iindustrial

Publicada em 09/04/2014

Produção de cana deve crescer 6,76% em MS na safra 14/15, projeta Biosul

Estado deve processar 44,300 milhões de toneladas de cana, conforme estimativa da entidade.

Anderson Viegas

A produção de cana-de-açúcar deverá crescer 6,76% em Mato Grosso do Sul na safra 2014/2015 frente a anterior, passando de 41,496 milhões de toneladas para 44,300 milhões de toneladas. A projeção foi apresentada na tarde desta quarta-feira (9), pela Associação dos Produtores de Bioenergia do Estado (Biosul).

Segundo o presidente da entidade, Roberto Hollanda Filho, a área dedicada a cultura da cana-de-açúcar no Estado deve ser ampliada em 11,60% neste ciclo, passando de 724,137 mil hectares da temporada passada para 808,142 mil hectares na nova.

Além de uma maior produção, a qualidade da matéria-prima dos canaviais sul-mato-grossenses também deve melhorar, conforme Hollanda. O indicador que faz essa medição, o de açúcares totais recuperáveis (ATR), deve passar de 126,74 por tonelada de cana para 133 por tonelada de cana.

Com maior quantidade de cana disponível e matéria-prima de maior qualidade, o Estado deve ampliar a produção de açúcar e etanol. A fabricação do alimento deve crescer, de acordo com a estimativa da Biosul, 19,12%, saltando de 1,368 milhão de toneladas para 1,630 milhão de toneladas.

Já o processamento do biocombustível deve ter um incremento de 9,74%, subindo de 2,230 bilhões de litros para 2,447 bilhões de litros. Desse total, 668,6 milhões de litros deverão ser de etanol anidro, que é misturado na proporção de 25% a gasolina, e 1,779 bilhão de litros de hidratado, que é consumido diretamente pelos veículos flex e os 100% dedicados.

Em contrapartida, o mix de produção, ou seja, a quantidade de cana destinada ao processamento de cada produto deve sofrer uma leve variação neste ciclo em relação ao anterior. Na safra passada 28% da matéria-prima foi voltada para a fabricação de açúcar e 72% a de etanol, neste a relação será de 29% para o alimento e 71% para o biocombustível.