Canais de Notícia

Economia

Publicada em 16/03/2015

Bezerras de MS são comercializadas a preço recorde na Bahia

Animais foram vendidos por preço 74% superior ao do mercado local.

Da Fazenda 3R

Quarenta bezerras nelores de oito meses de idade, com peso médio de 250 quilos, criadas em Mato Grosso do Sul, foram comercializadas por aproximadamente R$ 1.920,00 cada, durante o 2º Encontro do Agronegócio em Macarani (BA). O valor corresponde a 74% a mais que o valor de mercado que atualmente na Bahia corresponde a R$ 1.100,00. O evento que anualmente é organizado pelo Sindicato Rural e Prefeitura Municipal de Macarani, com a finalidade de desenvolver a pecuária local, aconteceu neste fim de semana (14 e 15) no Parque de Exposição Zé Caixeiro.

O criador de Ibicaraí (BA) proprietário do Ranho Texas, José Orleans do Nascimento, que adquiriu 30 das 40 bezerras sul-mato-grossenses vendidas a preço recorde, justifica a compra com a necessidade e genética eficiente ao Sul da Bahia. “O valor é justo, uma vez que essas bezerras possuem alta capacidade de ganho de peso e precocidade. Vão agregar ao rebanho baiano e estimular uma nova fase no mercado”, afirma Nascimento. “A genética desenvolvida em Mato Grosso do Sul foi premiada como a melhor do país, isso só faz com que a gente melhore o que já consideramos bom”, destaca ou fazer referência aos animais da Fazenda 3R, da cidade de Figueirão (MS).

Em avaliação técnica o veterinário Genildo Borges de Santana, conhecido no estado baiano como ‘alicate’, explica que a valorização das bezerras acontece devido as características físicas dos animais. “São animais jovens de porte médio, comprimento de lombo extraordinário, carcaça em medidas acima da média e excelente caracterização racial. E o mais importante, são precoces em fertilidade, peso e acabamento”, enfatiza o veterinário.

Parte da valorização das bezerras de MS se deve ao peso delas aos oito meses de idade, que chegam a atingir 80 quilos a mais que as produzidas na Bahia.

O produtor rural responsável pela criação das bezerras, Rubens Catenacci, durante o evento disse aos pecuaristas baianos que sua intenção é democratizar a genética reconhecida nacionalmente. “Temos tradição na produção de qualidade e queremos dividir o trabalho que realizamos com criadores de outros estados. A Bahia tem o diferencial pela capacidade dos criadores, que se unirem esta genética com o manejo ideal e nutrição adequada poderão alavancar em curto prazo a agropecuária regional”.