Canais de Notícia

Economia

Publicada em 19/01/2015

Soja fechou a semana acumulando perdas pesadas em Chicago

Chicago e câmbio afetaram também os preços internos da soja.

Da Agrinvestor Intelligence

Os preços da soja no mercado futuro da Bolsa de Chicago fecharam a sexta-feira com comportamento misto, mas estável, mostrando pequena valorização no primeiro contrato e estabilidade a leves recuos nos demais. Na semana, porém, o saldo líquido foi bastante negativo, com perdas de 60 pontos no contrato de maio, mês referencial para a safra sul-americana e brasileira. O spread entre maio e o contrato referencial da próxima safra norte-americana (novembro) está em 22 pontos em favor de maio (era de 38 uma semana antes).

A semana foi marcada pelo efeito baixista do relatório do USDA divulgado na segunda-feira, que aumentou o volume final da safra americana e a projeção dos estoques mundiais, ao que se juntaram sinais de arrefecimento da demanda com a divulgação do esmagamento de dezembro nos Estados Unidos, que ficou abaixo da expectativa. Outro fator que veio a pesar fortemente no mercado foi a previsão de uma consultoria americana de que a área de plantio vai aumentar novamente na próxima safra dos EUA, em mais 5%, para um novo recorde, o que indica novo potencial de crescimento da produção e da oferta também para a temporada 2015/16.

No mercado brasileiro de câmbio, o dólar comercial encerrou a sexta-feira com desvalorização de 0,8%, cotado a R$ 2,621 na média entre compra e venda. Na semana, houve desvalorização líquida de 0,6%.

O dólar mais fraco e Chicago negativo acabaram determinando uma queda nos preços internos da soja, com o mercado de referência do porto de Paranaguá terminando a semana com preços nominais a R$ 61,00 por saca (eram de 65,50 uma semana antes).