Canais de Notícia

Economia

Publicada em 28/11/2014

Empresas familiares têm dificuldades para encontrar financiamentos

Envolvimento de indivíduos com elevada riqueza pode ser opção.

Da KPMG International

Uma nova pesquisa da KPMG International constatou que 58% das Empresas Familiares estão buscando recursos externos para financiar seus planos de investimento, mas encontrar o parceiro estratégico certo pode ser desafiador. Embora as Empresas Familiares gerem mais de 70% do PIB global, muitas delas dizem que acham suas opções de levantamento de fundos limitadas.

“A captação de recursos para private equity geralmente requer que toda a empresa seja vendida para maximizar o valor no caso de saídas, e os sócios geralmente veem qualquer investimento externo como parte de um plano mais longo para assegurar o controle total. Como resultado dessas limitações, muitas Empresas Familiares podem não estar maximizando seu potencial de crescimento”, afirma o sócio da KPMG no Brasil e líder para o Mercado Empreendedor, Sebastian Soares.

O levantamento apontou que o envolvimento de indivíduos com elevada riqueza (high-net-worth individuals - HNWIs) é uma opção pouco utilizada pelas Empresas Familiares. Estima-se que haja até 14 milhões de indivíduos com mais de US$ 53 trilhões em patrimônio líquido no mundo inteiro.

Os resultados da pesquisa da KPMG intitulada “Questões sobre Empresas Familiares: Fomentando o crescimento das Empresas Familiares por meio de investidores individuais” (Family matters: Financing family business growth through individual investors, em inglês) mostram que as prioridades dos HNWIs e das Empresas Familiares estão alinhadas, o que torna essa subutilização uma surpresa: os HNWIs elegem a valorização de longo prazo do capital (37%) como o principal fator que influencia em seus investimentos, enquanto as Empresas Familiares elegem a orientação de longo prazo para retornos de investimentos como a sua principal característica de investidor (23%).

Embora haja desafios em ambos os lados, o levantamento revela que tanto as Empresas Familiares como os HNWIs têm um apetite por investimentos e poderiam mostrar que são parceiros altamente compatíveis.   

“No Brasil, apenas 20% das Empresas Familiares já receberam investimentos dos indivíduos com elevada riqueza. Mesmo que existam desafios e dificuldades, as chances de sucesso em uma parceria entre eles são muito grandes. É necessário identificar as necessidades de ambas as partes, além das Empresas Familiares reconhecerem a importância de influências externas, a fim de criar novas estratégias e expandir para novos mercados. Para atingir esse objetivo, uma comunicação mais próxima entre eles é essencial para o negócio”, analisa Soares.

A partir da pesquisa, instruções e conscientização sobre os potenciais benefícios dessas parcerias surgiram como os primeiros passos mais importantes para vincular esses dois grupos. Algumas constatações da pesquisa incluem:

•          44% dos HNWIs já investiram anteriormente em uma Empresa Familiar e a grande maioria (95%) diz que foi uma experiência positiva em comparação com seus outros investimentos.

•          Mais de três quartos dos participantes da pesquisa (76%) dizem que a família possui maior participação acionária na empresa.

•          60% dos HNWIs estão buscando investimentos com riscos e retornos razoáveis e estão focados na valorização de longo prazo do capital. Ambas as características são bem equiparadas àquelas dos investimentos que as Empresas Familiares esperam receber.