Canais de Notícia

Economia

Publicada em 18/07/2014

Chineses discutem investimentos em projetos do agronegócio

CNA indicou setores como os de logística e infraestrutura como opções de negócios.

Da CNA

Um grupo de 35 empresários chineses integrantes da comitiva oficial do presidente da China, Xi Jiping, interessados em conhecer áreas para futuros investimentos no segmento do agronegócio, participou de reunião com a diretoria da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Durante o encontro, os chineses conheceram o atual estágio da produção agrícola brasileira e as oportunidades de negócio para novos projetos em infraestrutura e logística.

A reunião, realizada na noite desta quarta-feira (16), foi aberta pelo vice-presidente da CNA e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Mato Grosso do Sul (Famasul), Eduardo Riedel. Ele classificou o encontro como um dos mais importantes e estratégicos para o estreitamento das relações comerciais entre os dois países, “nesses 40 anos de retomada formal da diplomacia entre o Brasil e a China”. Riedel lembrou que os chineses são hoje o maior parceiro comercial do país, “sendo o principal destino das nossas exportações de grãos”.

O ex-embaixador chinês no Brasil, Chen Duqing, atualmente integrante da China Forex Investment Summit (CFIS), destacou o trabalho da CNA no fortalecimento das relações comerciais entre os dois países, lembrando que “o momento atual é oportuno para o incremento dessa cooperação”. O chefe da delegação empresarial chinesa, Zhang Xiaobin, lembrou que a abertura econômica de seu país permitiu um aprofundamento das relações econômicas entre as duas nações, “com mais conhecimento mútuo e novas oportunidades de negócio”.

Logística e infraestrutura - O superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, e o consultor de Logística, Luiz Antônio Fayet, apresentaram o quadro atual do agronegócio brasileiro e as dificuldades existentes em setores como os de infraestrutura, obstáculos para a participação ainda maior do agronegócio brasileiro no comércio internacional. Fayet informou aos empresários chineses sobre os elevados custos existentes no transporte de produtos agrícolas no país.

Em 2013, segundo ele, “o escoamento de uma tonelada de produtos agropecuários custou US$ 92, valor muito superior aos gastos de outros países produtores de alimentos concorrentes do Brasil no mercado internacional”. É o caso, por exemplo, dos Estados Unidos, cujo gasto é de US$ 23 por tonelada, e da vizinha Argentina, US$ 20 por tonelada.

Segundo Antônio Fayet, no ano passado, era possível transportar 25 milhões de toneladas de produtos agrícolas por 6.500 quilômetros de rodovias. Com novos investimentos, avaliou o consultor, tal capacidade poderá elevar para 120 milhões de toneladas a capacidade de transporte num total de 9.500 quilômetros de rodovias. Isso até 2031. Para atingir tal meta, no entanto, serão necessários investimentos privados de R$ 9 bilhões, além de outros R$ 17 bilhões do setor publico.

Produtividade elevada

Bruno Lucchi mostrou aos chineses que o desenvolvimento da agropecuária brasileira, ao longo dos últimos 38 anos, deu-se a partir de forte inovação tecnológica com preservação do meio ambiente. Ele mostrou que, na safra 1976/77, o país produzia 46,9 milhões de toneladas de grãos, volume que saltou para 186,6 milhões de toneladas no biênio 2013/14.

Destaca-se que, apesar do forte crescimento da produção de grãos no país, foram preservados 61% do território brasileiro. Manteve-se intacto o equivalente a 517 milhões de hectares da vegetação nativa. O aumento da produção de grãos foi, segundo ele, consequência do uso intensivo de tecnologias modernas que permitiu aumentar a produtividade, entre 1976 e 2011, por exemplo, em 148,5%.

Os empresários chineses mostraram-se interessados em aprofundar a troca de informações sobre oportunidades de investimento, pedindo dados adicionais sobre os setores mencionados pela CNA abertos à participação do capital estrangeiro. Empresários do noroeste da China, presentes na reunião, pediram dados sobre a produção de laticínios no Brasil já avaliando possíveis parcerias entre os dois países nessa área da agropecuária.