Canais de Notícia

Economia

Publicada em 16/07/2014

Índice Cielo aponta crescimento de 0,5% no varejo em junho

Número refere-se ao aumento da receita de vendas deflacionada pelo IPCA.

Da Cielo

Barueri, 16 de julho de 2014 – A receita de vendas do comércio varejista apresentou alta de 0,5% em junho, descontada a inflação, em relação ao mesmo mês de 2013. Em maio, a alta foi de 5,5% ante o mesmo período de 2013. É o que mostra o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), divulgado nesta quarta-feira (16). Na receita de vendas nominal, o crescimento foi de 8,1 % em junho na comparação com o ano passado.

Vale observar, entretanto, que junho sofreu impactos importantes que não ocorreram no mesmo período de 2013: o feriado de Corpus Christi e a substituição de um sábado por uma segunda-feira, ambos contribuindo para a queda nas vendas.

Além disso, os primeiros 19 dias de Copa do Mundo (12 a 30 de junho) impactaram, ainda que levemente, o varejo de forma negativa. Isso se deu, principalmente, devido aos feriados decretados em dias de jogos. “O tão esperado ‘efeito Copa’ mostra que alguns setores se beneficiaram do evento e outros foram prejudicados pelos feriados. Sem eles, o varejo no Brasil teria crescido 2% em junho. Isso significa que, uma vez que o ICVA deflacionado apontou 0,5% de crescimento, o varejo deixou de crescer 1,5 ponto percentual”, conclui Gabriel Mariotto, gerente de Inteligência da Cielo.

Feitos os ajustes, o ICVA deflacionado foi de 3,1%. Ainda assim, comparando com o mês de maio, que apontou 5,1%, observou-se um quadro de desaceleração em junho.

O ICVA nominal com ajustes de calendário alcançou 10,9% em junho de 2014 na comparação com o mesmo mês do ano passado, uma redução de 1,1 ponto percentual. Em maio deste ano, o ICVA nominal ajustado foi de 12,0%.

Setores

Os setores que apresentaram maior crescimento na composição do ICVA de junho foram Drogarias e Farmácias, Varejo Alimentício Especializado e Supermercados e Hipermercados. Apesar de Drogarias e Farmácias ter se destacado positivamente nos primeiros meses do ano, o setor encerrou junho com desaceleração. Varejo Alimentício Especializado, que é composto por diversos perfis de estabelecimentos comerciais, essencialmente Padarias e Lojas de Conveniência, apontou aceleração, assim como Supermercados e Hipermercados. Para o setor de Alimentação (Bares e Restaurantes), que esperava movimentações positivas durante o período da Copa, somente Bares apresentou aceleração em junho. “Esses movimentos estão em linha com a expectativa de comportamento dos consumidores em um cenário de Copa”, afirma Gabriel Mariotto, gerente de Inteligência da Cielo.

Os setores de Vestuário, Lojas de Departamento e Materiais para Construção não só desaceleraram como apresentaram retração. No setor de Vestuário, só há crescimento em Artigos Esportivos. Os setores de Companhias Aéreas e Hotéis, que poderiam ser impactados positivamente com a Copa, não alcançaram bom desempenho e também tiveram retração na receita deflacionada.