Canais de Notícia

Economia

Publicada em 24/06/2014

Sudeco encerra caravana do FCO Itinerante em MS

Palestras mostram à população como obter financiamentos.

Sudeco

A caravana do FCO Itinerante 2014 já reuniu este ano cerca de 3 mil pessoas nos Estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), em parceria com o governo de MS, promoverá os dois últimos seminários sobre Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO). As palestras ocorrerão em Brasilândia e Bataguassu, às 19h, nos dias 25 e 26 de junho, respectivamente.

A iniciativa vai divulgar as condições do FCO para aumentar o número de tomadores de financiamento com os recursos do fundo. O FCO oferece condições diferenciadas com taxa de juros reduzidas e longos prazos para pagamento.

De acordo com o diretor-superintendente da Sudeco, Cleber Ávila, o financiamento atende desde empreendedores individuais até grandes empresas. “Esse evento é direcionado a todo setor produtivo, tanto rural quanto empresarial”, explicou.

“O FCO tem a missão de contribuir para o desenvolvimento econômico e social em toda a região e os seminários servem para levar as informações diretamente ao público interessado nos financiamentos”, destacou Cleber.

Fazem parte da programação do evento palestras da Sudeco, do governo do Estado, do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), de instituições financeiras, além de um espaço reservado para perguntas e respostas.

Sobre o FCO

O FCO foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea "c", da Constituição Federal, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento econômico e social da Região, mediante a execução de programas de financiamento aos setores produtivos.

Empresas e produtores rurais que desejarem iniciar, ampliar, modernizar ou relocalizar seus empreendimentos na região Centro-Oeste podem contar com o apoio do FCO. A administração do Fundo é exercida pelo Ministério da Integração Nacional, Conselho Deliberativo do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Condel/Sudeco) e Banco do Brasil.