Canais de Notícia

Ciência & Tecnologia

Publicada em 04/07/2013

Brasil terá banco genético mundial de cana-de-açúcar

ISSCT e IAC anunciam durante o Congresso da ISSCT 2013 que Brasil será sede de um novo banco genético da cana com variedades de todo o mundo.

Marcos Landell, coordenador do Centro de Cana do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, localizado em Ribeirão Preto, e Raúl Castillo, coordenador da seção de Melhoramento Genético e Germoplasma da ISSCT (International Society of Sugar Cane Technologists), e diretor geral da CINCAE – Centro de Investigación de la Caña de Azúcar del Ecuador, anunciaram durante o Congresso da ISSCT 2013, que o Brasil será sede de um novo banco genético de cana, com variedades de todo o mundo.

De acordo com eles, será criado um consórcio entre entidades e empresas pesquisadoras brasileiras, lideradas pelo IAC, que responderá pela implantação e manutenção desse banco, que tecnicamente é chamado de Germoplasma.”O ISSCT vai contribuir para o Brasil ser sede dessa coleção mundial que represente a variabilidade genética do complexo Saccharum”, explica Raúl Castillo, da ISSCT. Ele também informa que atualmente existem dois bancos genéticos da cana, um na Índia e outro em Miami, nos Estados Unidos. Os dois apresentam limitações de acesso à informação aos pesquisadores, especialmente da América Latina.

“A criação do Germoplasma no Brasil favorecerá os pesquisadores latinos e contribuirá para o desenvolvimento de variedades mais resistentes a doenças e também mais produtivas, pois ele estará aberto para todos”, explica Castillo. Marcos Landell, do IAC, destaca que o banco deverá contar com mais de duas mil variedades oriundas de todo o mundo e acredita que o consórcio receberá o apoio dos principais centros de pesquisa e empresas que trabalham com melhoramento genético do país. “Cada centro tem seu foco de pesquisa e pode contribuir muito com suas variedades para o banco genético”, ressalta Landell.

A previsão é que, até em três anos, o novo banco genético entre em funcionamento no Centro de Cana IAC-APTA – Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio Cana, do Instituto Agronômico (IAC), sediado em Ribeirão Preto.