Canais de Notícia

Ciência & Tecnologia

Publicada em 03/04/2013

Projeto que usa cinza do bagaço de cana em substituição a areia no concreto é premiado

Iniciativa de pesquisadores e estudantes da UEMS e UFGD ficou em terceiro lugar no Prêmio Odebrecht de Desenvolvimento Sustentável.

Da Redação

Projeto de pesquisa desenvolvido por estudantes e pesquisadores da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) que estuda a utilização da cinza da cana-de-açúcar na fabricação de concreto ficou em terceiro lugar no Prêmio Odebrecht de Desenvolvimento Sustentável. A solenidade de entrega do prêmio ocorreu no Rio de Janeiro, no mês de março. Como reconhecimento a iniciativa, o projeto recebeu R$ 60 mil.

Segundo Antonio Aparecido Zanfolim, um dos pesquisadores que participa do projeto, o estudo foi desenvolvido para testar a utilização da cinza que sobra do bagaço de cana após a cogeração de bioeletricidade em substituição ao chamado agregado miúdo, a areia, no concreto. Ele explica que nos experimentos realizados pelo grupo, os blocos produzidos com cinzas, apresentaram, inclusive, uma resistência maior do que os fabricados com areia.

Além da maior resistência e do ganho ambiental de se utilizar um material que até então era considerado um resíduo pelo setor sucroenergético, os pesquisadores apontam como outras vantagens do uso das cinzas na produção do concreto: rapidez na execução dos projetos, racionalização do processo construtivo, diminuição dos desperdícios, gerando ganhos de espaço nos ambientes da residência e redução no peso das estruturas.

Fazem parte do grupo que estuda o uso das cinzas na produção de concreto os pesquisadores: Antonio Aparecido Zanfolim (UEMS), Aguinaldo Lenine Alves (UEMS), Maria Aparecida Garcia Tommaselli Chuba Machado (UFGD) e os acadêmicos: Hingrid Freire Marques (UEMS), Juliane Palmas de Souza (UEMS), Larissa Barbosa de Souza (UEMS), Camila de Carvalho (UEMS), Jéssica Akemi Uchida (UFGD) e Alisson Viana Lima (UFGD).

Para saber mais sobre o projeto veja o vídeo abaixo: