Canais de Notícia

Ciência & Tecnologia

Publicada em 07/05/2015

Seminário em Ribeirão Preto aborda combate às ervas daninhas na cana

Mesmo com crise, produtor de cana não pode deixar de buscar informações.

Da assessoria

Descuidar do controle das ervas daninhas no canavial sai muito caro para o produtor. A matocompetição pode reduzir drasticamente a produtividade da lavoura, derrubando a rentabilidade do negócio, o que varia de acordo com a planta invasora e o grau de infestação. “Não é à toa que a gestão do controle de plantas daninhas nas usinas brasileiras absorve, anualmente, cerca de meio bilhão de dólares”, sublinha Dib Nunes, diretor do Grupo IDEA.

Segundo ele, hoje existem em torno de 9 milhões de hectares cultivados com cana-de-açúcar no país. “Os herbicidas são insumos fundamentais para viabilizar a cultura canavieira. Se não tivéssemos a evolução de novos produtos e misturas, além do desenvolvimento de técnicas de aplicação e gestão, teríamos sérios problemas para cultivar numa área tão vasta”, salienta.

Com o objetivo de difundir informações e trocar experiências sobre esse assunto, o Grupo IDEA organiza o mais tradicional evento sobre controle de ervas daninhas em cana-de-açúcar do país: o Herbishow, que chega à 14ª edição neste ano. Em 2015, este seminário ocorre nos dias 20 e 21 de maio, em Ribeirão Preto.

Saber investir

Muitas unidades sucroenergéticas estão tendo dificuldade para enfrentar a guerra da matocompetição. Mas frente aos problemas que as daninhas podem acarretar, cortar gastos no controle destas invasoras é um grande erro, pois esta decisão pode causar grande prejuízo à qualidade do canavial, que é o principal ativo de uma usina de açúcar e etanol.

Para recuperar o caixa, a usina precisar melhorar a sua produtividade, o que implica em cuidar bem da lavoura. Por isso, o produtor não pode deixar de investir no controle de plantas daninhas. Tem que recorrer aos produtos certos para cada situação, aperfeiçoar as técnicas de manejo, enfim saber aplicar seus recursos com eficiência.

“Nesse caso, as principais ferramentas do produtor e do profissional da usina são o conhecimento e a informação. É onde está o nosso papel de disseminar conhecimento. Usamos da nossa experiência para detectar a inovação e as práticas bem sucedidas de controle de daninhas”, explica Dib.

Para ele, o momento difícil que enfrenta o setor é um estímulo para o produtor ampliar seus conhecimentos sobre o assunto e, assim, maximizar seu investimento. “É que quanto maior é o momento de crise, mais se buscam soluções.”

Temário do Herbishow 2015

Segundo Dib Nunes, a programação do 14º Herbishow é ampla, atual e aborda os grandes temas relacionados ao controle de plantas invasoras em cana-de-açúcar. “O evento terá palestras variadas, enfocando procedimentos técnicos já consolidados; lançamento de produtos e novas tecnologias que estão surgindo nas usinas para controlar espécies que têm trazido cada vez mais problemas, como as plantas trepadeiras que aumentaram significativamente com a cana crua; novos equipamentos e estratégias de pulverização; e conceitos inovadores de combate às daninhas em cana-de-açúcar.”

O evento também trará casos de sucesso de aplicação de herbicidas em PPI (Pré-Plantio Incorporado); ações de controle das espécies que avançam com o aumento da palha; novas misturas de herbicidas; medidas preventivas e modelo diferenciado de administração do controle de daninhas; e uso de rotação de cultura com soja transgênica para controle das plantas invasoras dos canaviais.

O 14º Seminário sobre Controle de Plantas Daninhas em Cana - Herbishow acontece nos dias 20 e 21 de maio de 2015, no Centro de Convenções de Ribeirão Preto. Mais informações em www.ideaonline.com.br.