Canais de Notícia

Ciência & Tecnologia

Publicada em 01/12/2014

Campo Grande recebe dia 8 palestras sobre a safrinha

Pesquisadores mostram resultados de pesquisas realizadas no ano.

Da Fundação MS

O circuito de apresentações de resultados de pesquisas sobre o milho safrinha, que aconteceria nesta terça-feira, em Campo Grande, foi remarcado para o próximo dia 8. O evento acontece na Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), a partir das 8h, sendo uma realização da Fundação MS em parceria com o Senar/MS (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural). Entre os assuntos, estão: manejo de solo e fertilidade, posicionamento de híbridos de milho, manejo de nitrogênio e a eficácia do uso de dos fungicidas no controle de doenças nas plantas.

A validação de híbridos de milho, que pode ajudar produtores rurais e consultores a escolherem materiais mais adequados para a próxima safrinha, é um dos assuntos do encontro. Em média, cerca de 70 híbridos foram testados em diversas regiões do Estado. “Com isso, será possível fazer um ranqueamento e a posição dos materiais nas tabelas. Toda safrinha a gente repete esse trabalho, mantendo os híbridos que já são padrões e os de lançamento”, explica o pesquisador de fitotecnia milho da Fundação MS, André Lourenção.

Combate a doenças nas plantas - A eficácia do uso de fungicidas no combate a doenças como mancha-marrom e a mancha foliar está entre os assuntos abordados. Os principais estudos foram feitos com o incremento de diferentes híbridos de milho, verificando qual o melhor momento de aplicação do recurso. O objetivo é, além de controlar doenças, elevar a produtividade e margens de lucro das lavouras.

No entanto, isso depende, também, do produto que será utilizado e das condições climáticas durante a condução da lavoura. “Em tese, anos mais chuvosos resultam em mais doenças e, como regra geral, duas aplicações podem resultar em maiores produtividades, enquanto os anos mais secos representam menos doenças e, desta forma, menor necessidade do uso de fungicidas”, explica o pesquisador.