Canais de Notícia

Ciência & Tecnologia

Publicada em 19/11/2014

Ridesa discute uso da cana na cogeração de bioeletricidade

Atualmente, quase 10% da energia elétrica do país vêm da cana.

Da Ridesa

Embora poucos brasileiros saibam, parte crescente da eletricidade consumida no País vem dos canaviais. O desenvolvimento de variedades de cana para a finalidade energética é um dos temas da Reunião Técnica Anual de um dos principais grupos de pesquisa de cana-de-açúcar do País: o Programa de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar da Universidade Federal de São Carlos (PMGCA/UfSCar). Este evento ocorre em Ribeirão Preto nesta quarta-feira (19), no Hotel JP,

Com o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas, novas alternativas de geração de energia ganham relevância. Por isso, não é à toa que um dos principais temas abordados no evento é a Cana-energia. Uma variedade de cana-de-açúcar que tem maior potencial de geração de energia elétrica, que é limpa e renovável. Atualmente, quase 10% da eletricidade consumida no País já vêm das usinas sucroenergéticas. Isto porque o bagaço é queimado nas caldeiras, gerando a bioeletricidade que abastece as próprias usinas. E o excedente é vendido para a rede elétrica, chegando à população. Mas esta geração pode ser ainda maior caso surjam variedades de cana mais aptas à produção energética.

A Cana-Energia é produzida por meio de um melhoramento genético que resulta em cana com maior quantidade de fibras e variação na quantidade de açúcar. “Pelos cruzamentos genéticos e pelos tipos de parentais usados nos cruzamentos genéticos, teremos alguns tipos com mais fibras, e outros com menos açúcar. A Cana-Energia tem baixa quantidade de açúcar e mais fibra, com foco na produção de energia”, explica o professor Geraldo Veríssimo, que palestrará sobre o assunto na Reunião Técnica desta quarta-feira.

Outros temas de grande interesse do setor sucroenergético que serão abordados na Reunião é a participação do PMGCA/UfSCar nas pesquisas de cana transgênica e a utilização das variedades da Ridesa nos programas de mudas pré-brotadas, um sistema de plantio que está revolucionando a produção de cana-de-açúcar no País.