Canais de Notícia

Ciência & Tecnologia

Publicada em 18/09/2014

Estados se preparam para iniciar Projeto ABC Cerrado

Iniciativa já foi lançada em Brasília.

Do Senar

Representantes das três instituições responsáveis pelo Projeto ABC Cerrado – o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), a Embrapa e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) – nos nove Estados integrantes do programa estiveram reunidos durante dois dias em uma oficina de trabalho em Brasília. Eles participaram de atividades que tiveram como finalidade promover uma maior integração entre o grupo e esclarecer pontos da execução técnica e administrativa-financeira do ABC Cerrado.

A oficina foi realizada em duas etapas: uma na sede do Sistema CNASENAR, no dia 16/9, apenas com os representantes das Administrações Regionais do SENAR, e outra no auditório da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen), nesta quarta-feira (17/9). A programação completa contou com apresentações sobre a execução do ABC Cerrado, o Plano de Investimentos do Brasil e o Projeto FIP/CAR, entre outras. Também foram formados grupos de trabalho para debater o alinhamento do programa com ações estaduais em andamento. As atividades – que reuniram aproximadamente 80 pessoas – também contaram com a presença de membros das Secretarias de Agricultura dos Estados.

“Conseguimos alinhar a dinâmica de execução do projeto com os nove Estados. Foi o lançamento oficial junto aos grupos gestores estaduais. A próxima etapa será a contratação dos consultores masters para desenvolver o conteúdo técnico do material didático e das capacitações. Em 2015 vamos começar o treinamento dos instrutores regionais e depois dos supervisores e técnicos de campo”, destaca o coordenador técnico do Projeto ABC Cerrado, Igor Orígenes Moreira Borges.

"A partir de agora ficará mais fácil para os Estados planejarem suas ações dentro do projeto, pois os parceiros estão mais integrados e focados nos mesmos objetivos", complementa a coordenadora de projetos especiais do Departamento de Educação Profissional e Promoção Social (DEPPS) do SENAR, Patrícia Fontes Machado.

O segundo dia de atividades foi aberto pelo diretor-executivo de Transferência de Tecnologia da Embrapa, Waldyr Stumpf Junior, que ressaltou a importância do programa para o novo momento da agricultura brasileira, onde muitas tecnologias estão perdendo qualidade e outros desafios precisarão ser superados, como a degradação de terras e o manejo de pragas. Segundo ele, o Projeto ABC permitirá que um conjunto de soluções tecnológicas seja repassado aos produtores para que a atividade possa avançar com sustentabilidade.

“Estamos institucionalizando uma parceria que é fundamental dentro da importância estratégica que esse tema tem para o Brasil, afinal assumimos um compromisso voluntário de reduzir os gases de efeito estufa. É uma ação mais robusta e que permitirá o desenvolvimento das atividades de forma coordenada. Vamos capilarizar essas tecnologias, da forma mais densa e organizada possível, para que o ABC avance com qualidade”, declara.

Demandas estaduais serão atendidas

O SENAR do Tocantins saiu na frente e já está aplicando algumas tecnologias previstas pelo ABC, como recuperação de áreas degradadas e ILPF, dentro do projeto Travessia Leite. A entidade também promove um curso específico de Formação Profissional Rural (FPR) sobre recuperação de pastagens degradadas. Mesmo assim, o coordenador do Projetos Técnicos do SENAR-TO, José Carlos Senhorini, revela que as práticas difundidas pelo Projeto ABC Cerrado – principalmente a recuperação de pastagens, ILPF e plantio direto – têm um potencial muito grande para ser aplicadas no Estado, principalmente na região Norte, onde existia pecuária e hoje restaram terras improdutivas.

“O programa vai ser aplicado em propriedades de quatro módulos fiscais (280 hectares) a 70 módulos fiscais (5.600 ha), ou seja, vamos atender mais de 80% das áreas agricultáveis do Tocantins, tanto em grãos quanto pecuária”, projeta.

Em Minas Gerais, que recentemente recebeu a visita de técnicos do Banco Mundial (agente financeiro do projeto), a expectativa dos produtores para participar do programa é alta. A recuperação de pastagens, o plantio de florestas (o Estado já tem 1,5 milhão de hectares com esse tipo de cultivo) e o plantio direto deverão ser as tecnologias mais demandadas, prevê o coordenador de FPR do SENAR-MG, Luiz Ronilson, principalmente nas regiões Noroeste, do Triângulo Mineiro e do Alto Paranaíba.

“Percebemos que a receptividade dos produtores e dos técnicos foi grande durante a visita do Banco Mundial. O projeto já foi apresentado para os 10 gerentes regionais e, a partir de 2015, vamos promover uma integração ainda maior com as cinco regionais localizadas no bioma Cerrado”, avisa.

Ele também salienta que o projeto no Estado terá a parceria do Instituto Antonio Ernesto de Salvo (Inaes) na parte de assistência técnica e supervisão de campo, enquanto o SENAR-MG fará a capacitação dos produtores e a gestão macro do programa.

Projeto ABC Cerrado

Ação conjunta do SENAR, do Ministério da Agricultura e da Embrapa, o Projeto ABC Cerrado pretende incentivar e difundir a adoção de práticas sustentáveis para a redução das emissões de gases de efeito estufa e sensibilizar o produtor para que ele invista na sua propriedade de forma a ter retorno econômico mantendo o meio ambiente preservado. O SENAR será responsável pela capacitação nas tecnologias, formação profissional e pela assessoria em campo, com recursos do Programa de Investimentos em Florestas (FIP, sigla em inglês) – via Banco Mundial.

O ABC Cerrado vai atender nove estados do Bioma Cerrado (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Maranhão, Bahia, Piauí, Minas Gerais e o Distrito Federal), num período de três anos, com a promoção de quatro processos tecnológicos: recuperação de pastagens degradadas, integração lavoura-pecuária-floresta, sistema de plantio direto e florestas plantadas.

O projeto prevê a realização de seminários de sensibilização e divulgação nos estados participantes, capacitação tecnológica de produtores e gerentes de propriedades e instrutores do SENAR e, ainda, treinamento dos técnicos que atuarão na assessoria em campo para os produtores. Ao todo, 12 mil propriedades vão receber capacitação e desse total, 1.200 nos estados de Minas Gerais, Goiás, Tocantins e Mato Grosso do Sul terão, também, assistência técnica. Esses estabelecimentos terão o compromisso de executar uma das tecnologias aprendidas que serão transformadas em cases de estudo e vitrines tecnológicas.