Canais de Notícia

Ciência & Tecnologia

Publicada em 21/08/2014

Baraca desenvolve novo produto para tornar produção de etanol mais limpa e econômica

Aplicação do produto auxilia no controle bacteriano e reduz perdas no processo de fermentação.

Da assessoria

Com o objetivo de contribuir com a produção de um etanol mais sustentável, com menor consumo de água e insumos químicos, a Beraca aposta no uso do Dióxido de Cloro, o Diox®, em usinas sucroalcooleiras. A solução tem como principal característica substituir os antibióticos convencionais no processo de fermentação em usinas e, entre as suas vantagens, está a diminuição de até 30% no uso de ácido sulfúrico, número que representa aproximadamente R$ 18 mil/mês de economia direta para a usina.

Além disso, análises realizadas pela Fermentec, empresa de consultoria especializada em novas tecnologias para o setor sucroalcooleiro, apontam que, a partir do quinto ciclo de fermentação, ele é capaz de aumentar o rendimento do etanol em 5%. O estudo foi feito a partir de pesquisas e acompanhamentos em empresas que utilizam o Diox®.

"Cada vez mais as usinas procuram por soluções altamente eficazes e com a capacidade de otimizar os custos e o Diox® tem um papel fundamental dentro desse cenário, pois controla a contaminação bacteriana e reduz as perdas na fermentação. Nas avaliações feitas pela Fermentec, por exemplo, foi constatado que o uso da nossa tecnologia, em uma destilaria com capacidade produtiva de 800m³/dia, proporciona um ganho três vezes maior em litros de etanol por dia, quando comparado aos processos convencionais", avalia Rafael Alves, Gerente Comercial da área de Usinas na Beraca.

No último ano, cerca de 1,135 bilhão de litros de álcool foi tratado com o Diox® e a meta da Beraca é atender 90 usinas até 2015, isso representa 30% de market share. O seu uso permite a comercialização da levedura excedente para outras empresas, como as que atuam na fabricação de ração animal ou alimentação parenteral. Sem contar que possibilita o beneficiamento de toda a cadeia produtiva do etanol, pois não é residual e evita a bio-acumulação em rios e lençóis freáticos.