Canais de Notícia

Ciência & Tecnologia

Publicada em 21/08/2014

Atualização é estratégia para produtores adotarem tecnologias

Informações sobre cultivo de soja são apresentadas em seminário.

Embrapa Agropecuária Oeste

O "Seminário de Atualização Tecnológica da Soja" teve início quarta-feira, 20 de agosto, em Dourados, MS, na Embrapa Agropecuária Oeste, com mais de cem inscritos. O evento tem continuidade nessa quinta-feira, 21. O Seminário também será realizado em Nova Andradina, MS, no dia 26 de agosto. Assuntos relacionados à soja também farão parte de um evento da Copasul com a Embrapa em 9 de setembro, em Naviraí, MS.

O público convidado - profissionais técnicos do agronegócio, agentes da Assistência Técnica e de Extensão Rural (ATER), consultores técnicos e acadêmicos dos últimos anos de ciências agrárias - participa do evento em busca de novidades tecnológicas para que mais produtores compreendam as vantagens e coloquem em prática da forma recomendada.

"Quanto mais informação tivermos, mais facilidade teremos para convencer os produtores a adotarem as tecnologias. Muitas vezes, eles acham que as novas tecnologias vão gerar mais custos, mas, na verdade, elas vão ajudar a aumentar a rentabilidade com sustentabilidade", diz o consultor e engenheiro agrônomo Haroldo Pradela, que completa: "As tecnologias são desenvolvidas em um ritmo acelerado, e é preciso estar atualizado para prestar um bom serviço ao produtor rural".

Já Everton Gelain, engenheiro agrônomo, produtor e acadêmico de pós-graduação em Gestão de Agronegócio, participa do Seminário com interesse em trocar experiências com consultores e técnicos e saber se outros produtores estão adotando as tecnologias. Ele utiliza, juntamente com o pai, o consórcio milho-braquiária em 100% da sua propriedade e quer conhecer mais a tecnologia para ter certeza se realmente vale a pena investir no consórcio. "É importante sempre buscar novidades e ficar informado sobre os resultados da pesquisa", afirma Gelain.

Necessidades do setor

A área de Transferência de Tecnologia da Embrapa Agropecuária Oeste em conjunto com parceiros de cooperativas, consultores e técnicos têm feito reuniões a fim de levantar as necessidades do setor. Para essa atualização tecnológica, foram escolhidos os seguintes temas, divididas em várias palestras: fixação biológica de nitrogênio, fertilidade do solo no sistema soja-milho safrinha, nematoides, manejo de pragas e posicionamento de cultivares.

"As reuniões com o setor, seguidas da atualização tecnológica, são uma estratégia que a Embrapa Agropecuária Oeste está utilizando para que as tecnologias possam, efetivamente, chegar ao produtor rural. Se elencarmos as áreas sob a responsabilidade dos técnicos e consultores aqui presentes, vamos ver que é uma área significativa onde esses conhecimentos vão chegar", declara Auro Akio Otsubo, chefe adjunto de Transferência de Tecnologia da Unidade de Pesquisa da Embrapa, em Dourados.

Para Ângelo Ximenes, presidente da Associação de Empresas de Assistência Técnica Rural de Mato Grosso do Sul (AASTEC-MS), os temas considerados mais relevantes para serem debatidos neste Seminário são as novidades e recomendações da pesquisa sobre a fixação biológica de nitrogênio (FBN), manejo das principais pragas e as cultivares de soja com alta produtividade. "Nos interessa aquelas com produtividade acima de 70 sacas por hectare e também queremos conhecer alguns cases de alta produtividade".

Para o setor produtivo, o chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Lafourcade Asmus, deixou uma certeza: a atualização tecnológica será uma constante na Unidade. "Isso já vem sendo feito pela Embrapa Agropecuária Oeste e assim vamos continuar com atualizações sobre outras culturas. Já temos, por exemplo, um programa com bastante potencial para a cana-de-açúcar", ressalta Asmus, deixando claro que o objetivo é antecipar-se à safra, discutir os avanços tecnológicos e começar a colocá-los em prática". E completa: "É possível evoluir conjuntamente em benefício de toda a cadeia produtiva do setor agrícola. Por isso é importante manter vivo o programa de atualização, e a Embrapa está sempre de portas abertas para essa parceria", assegura.