Canais de Notícia

Ciência & Tecnologia

Publicada em 13/11/2012

Embrapa avalia microrganismos da Argentina na produção de etanol 2G

Microrganismos identificados pelo órgão de pesquisa argentino produzem enzimas capazes de degradar a celulose do bagaço da cana.

Da Redação

Enzimas provenientes de microrganismos isolados na Argentina serão testadas pela Embrapa Agroenergia no desenvolvimento do processo de produção de etanol celulósico (2ª geração – 2G). A ação faz parte de um projeto de pesquisa executado em conjunto com o Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA) do país vizinho.

Os microrganismos identificados pelo órgão de pesquisa argentino produzem celulases, enzimas capazes de degradar a celulose de materiais como o bagaço de cana-de-açúcar e o capim, liberando açúcares mais simples para fermentação a etanol. Esse processo é chamado de hidrólise enzimática.

Segundo a pesquisadora da Embrapa Agroenergia Thaís Salum (Na foto – Crédito: Vivian Chies), que coordena os trabalhos no Brasil, o custo das enzimas utilizadas nessa etapa de fabricação é o principal entrave para a viabilidade econômica do etanol 2G. “O projeto pretende, justamente, encontrar microrganismos mais eficientes na produção das celulases, de modo a baratear o custo de produção”, explica Thaís.

O INTA está buscando espécies produtoras de celulases em florestas nativas e plantadas da Argentina. Além da prospecção de microrganismos, o Instituto está utilizando a metagenômica, uma metodologia que permite identificar genes de microrganismos que não podem ser cultivados em laboratório – correspondentes a cerca de 99% das espécies existentes.

A pesquisadora Paola Talia, coordenadora das ações de pesquisa na Argentina, diz que a abordagem metagenômica está sendo utilizada para a prospecção de genes codificadores de celulases em florestas e também no intestino do inseto conhecido como bicudo do algodoeiro. Os trabalhos naquele país começaram em janeiro deste ano.

O grupo de pesquisa argentino já selecionou alguns microrganismos de bosques nativos da região do Chaco e os enviou à Embrapa Agroenergia, que produzirá as enzimas e as testará na hidrólise de capim-elefante e bagaço de cana-de-açúcar. Para Thaís, um dos principais desafios é balancear a proporção de diferentes tipos de celulases nos coquetéis enzimáticos a serem utilizados.

(Com informações da Embrapa Agroenergia*)