Canais de Notícia

Ciência & Tecnologia

Publicada em 25/03/2014

Brasil pode ter ganho de 70 mi de hectares de área de produção

Kátia Abreu debate produção maior sem desmatamento no primeiro dia de discussões do Global Agribusiness Fórum.

Da assessoria

A agropecuária brasileira poderá ter um ganho de 70 milhões de hectares de área para a produção de alimentos, transferindo culturas e colhendo duas safras anuais, apenas aplicando técnicas sustentáveis de produção, como a agricultura de baixo carbono e Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). Este acréscimo de área, sem derrubar uma só árvore, aumentaria em 131% a produção de grãos e fibras, passando de 187 milhões para 432 milhões de toneladas/ano. Na pecuária, o volume de oferta de carne bovina saltaria de 9 milhões para 15 milhões de toneladas.

Os dados foram apresentados pela presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, nesta segunda-feira (24/3), em palestra no Global Agribusiness Fórum 2014. O evento reúne até amanhã, em São Paulo, empresários, autoridades e especialistas do Brasil e do exterior para debater os desafios do agronegócio e da produção mundial de alimentos.

Segundo a presidente da CNA, o Brasil tem condições plenas de ampliar sua produção agropecuária. Segundo ela, o fator determinante será o mercado, e não tecnologia. “Podemos aumentar a produção em quatro meses, com facilidade. Temos que medir esta temperatura, que será Kátia Abreu, para quem o problema da fome decorre, hoje, da falta de renda e não a falta de comida. Ela acredita que, com as condições favoráveis de aumento de produção e produtividade, o país cumprirá a meta definidas pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), de aumentar a produção de alimentos em 40% até 2050, ajudando a resolver o desafio de vencer a fome no mundo.

A senadora destacou, ainda, que o crescimento da produção agrícola brasileira ocorreu graças ao desenvolvimento de novas tecnologias. Nos últimos 36 anos, a produção de grãos e fibras cresceu 296% (de 46,9 milhões para 187 milhões de toneladas, enquanto a produtividade expandiu 178% no mesmo período (de 1.258 kg/hectare para 3.507 kg/hectare). A área plantada, por sua vez, só aumentou 42% (de 37,3 milhões para 53,3 milhões). Ela lembrou que o Brasil produz em apenas 27,7% do território nacional, preservando 61% do país com florestas e outros tipos de vegetação nativa.

Outro ponto destacado por Kátia Abreu foi o fato de o crescimento do setor agropecuário ter se dado com “tecnologias brasileiras” e produzido ganhos especialmente para a população mais pobre. Segundo ela, há 40 anos, as famílias gastavam 48% do orçamento com alimentação, em uma época que o Brasil era um tradicional importador de alimentos. Hoje, estes gastos caíram para algo em torno de 14% a 20% do salário, graças ao aumento de produtividade que possibilitou acesso à comida barata e de boa qualidade. “Com isso, sobrou renda para educar os filhos até a universidade, comprar eletrodomésticos, etc”, lembrou.

Ao falar da importância da agropecuária para a economia brasileira, a senadora lembrou que o setor é o responsável por 40% das exportações, 37% dos empregos do país, quase 25% do PIB, além de sustentar o superávit da balança comercial brasileira por muitos anos. Ao falar da sucessão no agronegócio brasileiro, destacou que, enquanto os europeus têm idade média de 52 anos, os americanos de 58 e os japoneses de 67, os empresários brasileiros são em média bem mais jovens: 45 anos.

Global Agribusiness

A senadora foi uma das palestrantes do painel “Gerando Valor na Produção Agrícola”, ao lado do representante FAO no Brasil, Alan Jorge Bojanic, do subsecretário do Departamento de Agricultura das Filipinas, Dante Solano Delima, e do presidente empresa indiana de irrigação Jair Irrigations Systems, Dilip N. Kulkarni.

O evento reúne, ainda, lideranças como a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o diretor geral da Organização Mundial de Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, o presidente do Conselho de Administração da Brasil Foods, Abílio Diniz, o ex-diretor-geral de Agricultura da Comissão Europeia, José Manuel Silva Rodrigues, o economista e ex-ministro Delfim Netto, e o ministro da Agricultura de Cuba, Gustavo Rodríguez Rollero.