Canais de Notícia

Agrobussines

Publicada em 13/08/2013

Dispara produção e venda de etanol no Centro-Sul do País

Venda de etanol na segunda quinzena de julho cresceu 31,23% frente aos 15 dias anteriores, segundo a Unica.

Unica

As vendas de etanol pelas unidades produtoras da região Centro-Sul do Brasil somaram 1,44 bilhão de litros na segunda quinzena de julho, crescimento de 31,23% sobre o volume registrado nos primeiros quinze dias do mês (1,09 bilhão de litros) e aumento de 33,21% em relação ao valor observado no mesmo período de 2012 (1,08 bilhão de litros).

Do total vendido na segunda quinzena de julho, 307,07 milhões de litros destinaram-se à exportação e 1,13 bilhão de litros foram comercializados no mercado interno - alta de 35,86% comparativamente ao montante observado em igual quinzena do ano anterior.

No mercado doméstico, as vendas de etanol anidro atingiram 465,99 milhões de litros na última metade de julho, enquanto que as de etanol hidratado alcançaram 663,34 milhões de litros - impressionante aumento de 20,71% em relação aos 549,53 milhões de litros comercializados na primeira quinzena de julho e alta de 30,99% sobre o valor apurado em idêntico período da safra 2012/2013 (506,40 milhões de litros).

Com isso, as vendas de etanol hidratado para o mercado doméstico totalizaram 1,21 bilhão de litros no mês de julho, registrando um avanço de 18,56% em relação ao volume comercializado em junho deste ano (1,02 bilhão de litros) e aumento de 31,34% sobre as vendas de julho de 2012.

Para o diretor Técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Antonio de Padua Rodrigues, “como os preços do etanol estavam economicamente vantajosos aos consumidores nos principais mercados, era natural esperarmos um avanço no consumo de hidratado”. A expectativa é de que essa tendência seja mantida nas próximas semanas, pois não temos observado uma mudança desse cenário de preços nas bombas, acrescentou o executivo.

Produção de açúcar e de etanol

O aumento nas vendas de etanol teve reflexos na decisão de produção das empresas, que continuaram priorizando o biocombustível. Com isso, a proporção de cana direcionada para a produção de etanol atingiu 55,03% nos últimos quinze dias de julho, valor superior aquele registrado nos primeiros quinze dias do mês (54,65%) e significativamente maior que os 49,41% verificados na mesma quinzena da safra passada.

Assim, a produção de etanol alcançou 1,90 bilhão de litros nos últimos quinze dias de julho deste ano, aumento de 6,84% sobre o valor verificado na primeira quinzena do mês e de 6,63% em relação ao volume apurado na mesma data de 2012.

Do volume total de etanol produzido na segunda metade de julho, 1,01 bilhão referem-se ao etanol hidratado e 888,78 milhões de litros ao etanol anidro (crescimento de 14,29% sobre o volume produzido no mesmo período da safra 2012/2013).

A produção de açúcar, por sua vez, apresentou expressiva queda de 14,80% nesta quinzena, totalizando 2,53 milhões de toneladas, contra 2,97 milhões de toneladas computadas em igual período do ano passado.

No acumulado desde o início da safra 2013/2014 até primeiro de agosto, a fabricação de açúcar atingiu 13,84 milhões de toneladas, enquanto a produção de etanol alcançou 11,33 bilhões de litros, sendo 6,66 bilhões de litros de etanol hidratado e 4,67 bilhões de litros de etanol anidro.

Moagem de cana e qualidade da matéria-prima

O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul atingiu 44,26 milhões de toneladas na segunda quinzena de julho, recuo de 4,35% em relação ao montante registrado na mesma quinzena de 2012 (46,28 milhões de toneladas).

No acumulado desde o início da atual safra até primeiro de agosto, o volume processado de matéria-prima alcançou 268,76 milhões de toneladas. Essa quantia supera em 51,91 milhões de toneladas a moagem verificada no mesmo período de 2012, mas ainda permanece 9,77% menor em relação à safra 2010/2011, quando as usinas localizadas na região Centro-Sul processaram 556,94 milhões de toneladas ao final daquela safra.

A quantidade de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de cana-de-açúcar processada atingiu 133,48 kg na segunda quinzena de julho, valor praticamente idêntico aquele observado na mesma data da safra anterior (133,19 kg por tonelada de cana-de-açúcar). No acumulado desde o início da safra 2013/2014 até primeiro de agosto, o teor de ATR por tonelada de matéria-prima alcançou 126,01 kg.

Em relação ao impacto das geadas observadas no final de julho, o diretor da Unica explica que o fenômeno climático atingiu a maior parte da área com cana-de-açúcar no sul de São Paulo e nos Estados do Paraná e do Mato Grosso do Sul, onde a geada chegou a comprometer o crescimento e brotação da planta, com morte da gema apical, de parte das gemas laterais e queima das folhas.

Segundo Rodrigues, “nessa avaliação ainda preliminar, podemos dizer que o fenômeno climático pode reduzir a produtividade agrícola e a concentração de ATR na cana colhida nas unidades localizadas nas regiões afetadas”.

A Unica, em conjunto com o Centro de Tecnologia Canavieira-CTC, demais associações e sindicatos do Centro-Sul, está quantificando os impactos da geada, assim como avaliando as demais variáveis associadas à produção e comercialização do etanol e açúcar, para concluir a revisão da estimativa da safra 2013/2014. Essa nova estimativa deve ser divulgada no início do próximo mês.