Canais de Notícia

Agrobussines

Publicada em 19/03/2015

Moka pede e ministra vai avaliar apoio a programa da erva-mate em MS

Programa deve receber investimento inicial de R$ 2,5 milhões.

Da assessoria

Em audiência nesta quinta-feira (19), na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal, com a presença da ministra da Agricultura, Kátia Abreu, o senador Waldemir Moka (PMDB) reivindicou apoio ao renascimento da cultura da erva-mate em Mato Grosso do Sul.

Moka é autor de um projeto voltado para o “fortalecimento da cadeia produtiva do tereré” e que tem como objetivo a criação de renda para assentados e pequenos agricultores nos municípios de Mato Grosso do Sul localizados na fronteira com o Paraguai, como Ponta Porã, Antônio João, Amambai, entre outros, além de Dourados.

O programa deverá receber investimento inicial de R$ 2,5 milhões do Ministério da Integração Nacional. Os recursos serão utilizados na capacitação técnica de profissionais e produtores, infraestrutura específica da Agraer, compra de mudas de erva-mate e eucalipto (sombrear) e insumos.

Em resposta a Moka, a ministra revelou-se interessada no tema e prometeu em breve tempo dar uma resposta ao senador e à população do Mato Grosso do Sul. “É importante ter o Ministério da Agricultura como nosso parceiro nesse programa importante para o Estado”, reforçou o senador.

O programa envolve os setores público e privado, como entidades ligadas aos industriais, comerciantes e produtores rurais, além de associações de agricultores familiares e foi apresentada em grande evento em Ponta Porã.

Segundo Moka, o projeto tem um papel social importantíssimo, pois visa resgatar a cultura regional, além de criar uma alternativa de renda para retirar os jovens do tráfico e, na área do meio ambiente, por ser uma árvore, passa a ser excelente instrumento de recomposição da área de Reserva Legal.

A exploração da erva-mate em Mato Grosso do Sul, até meados da década de 80, era feita exclusivamente através do extrativismo (a partir de plantas nativas), especialmente no sul do Estado, em vastas áreas espontaneamente ocupadas, com destaque para a região da fronteira Brasil/Paraguai.