Canais de Notícia

Agrobussines

Publicada em 23/02/2015

Criador revela como produz melhor bezerro do País e lança ração que usa na fazenda

Rubens Catenacci, da 3R, e Agroceres Multimix promoveram dia de campo.

Anderson Viegas

O pecuarista Rubens Catenacci, o Rubinho, proprietário da fazenda 3R, em Figueirão, município que fica a 260 quilômetros de Campo Grande, na região nordeste de Mato Grosso do Sul, e que já recebeu o título de produtor do melhor bezerro de corte do País, promoveu neste sábado (21), em parceria com a Agroceres Multimix, um dia de campo na sede da propriedade. O objetivo foi divulgar o sistema produtivo que fez dele uma referência em inovação e profissionalismo na pecuária e também lançar comercialmente a ração que foi desenvolvida especialmente para a fazenda, a Confinatto 3R.

O evento reuniu cerca de 300 pessoas entre pecuaristas de Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e também de Mato Grosso do Sul, além de técnicos e especialistas da área, dirigentes de entidades de pesquisa como a Fundação MS e a Embrapa e autoridades, entre outros. Na primeira parte do dia de campo, Rubinho e o gerente da fazenda 3R, Rogério Rosalin, explicaram como a propriedade se tornou uma verdadeira “fábrica” de produção de bezerros super precoces, que vendeu no mercado em 2014, 2,6 mil animais desmamados, com idade média de seis meses e peso de 300 quilos, o que representa 66,6%, ou dois terços, do peso considerado ideal para abate, que é de 450 quilos.

Segundo Rosalin, para atingir esse mesmo peso, 300 quilos, no sistema tradicional (criação a pasto), o animal levaria pelo menos 18 meses. O bezerro super precoce da 3R, de acordo com o gerente pode tanto seguir diretamente para o abate e atender o mercado por carnes tipo “Premium”, já que possui ótimo acabamento de carcaça e carne de excelente qualidade, quanto seguir para a engorda ou terminação a pasto ou em sistemas de confinamento ou semiconfinamento, onde pode atingir em um intervalo de quatro a seis meses os 450 quilos de peso para abate como boi gordo. Nas duas situações, o animal pula uma etapa da pecuária convencional, a recria, onde após a desmama, ganharia peso nas pastagens e com suplementação, encurtando o ciclo de produção em pelo menos dez meses.

O segredo para produzir esse bezerro mais pesado na desmama, que não necessita da recria, está alicerçado em três fatores de acordo com o produtor. O primeiro, conforme Rubinho, é a genética. Ele explica que iniciou o trabalho de seleção na 3R há mais de 25 anos, e utilizou como matriz principal a vaca Badalada, melhor reprodutora do Estado e terceira melhor do País na temporada 1997-1998. Essa matriz, com a qual 90% dos animais produzidos na 3R atualmente têm algum tipo de parentesco, assegurou ao rebanho precocidade, fertilidade, longevidade, docilidade e funcionalidade. Além disso, o criador investiu também na escolha de bons reprodutores, puros de origem (PO), que poderiam agregar ao plantel atributos economicamente importantes como: ganho de peso e biótipo funcional. A essa base genética de alta qualidade, se somou o uso das mais modernas técnicas de aprimoramento, como a Inseminação Artificial por Tempo Fixo (IATF), Fertilização In Vitro (FIV), Transferência Nuclear (TN), Transferência de Embriões em Tempo Fixo (TETF) e ultrassom de carcaça.

Para aproveitar da melhor forma possível todo esse potencial genético e tendo como foco a produção de bezerros super precoces, o produtor desenvolveu um novo sistema de manejo rotacionado, que se tornou o segundo tripé de sucesso da fazenda, o Creep Confinatto 3R. Para isso, dividiu parte dos 5 mil hectares de pastagens da fazenda, que tem uma área total de 7,8 mil hectares, em 24 “pizzas” de 70 a 150 hectares. Em cada “Pizza” implantou no centro duas praças de alimentação, uma para as vacas e outras para os bezerros. O restante da área foi dividida em dez “fatias” iguais. Vacas e bezerros permanecem em cada fatia por apenas três dias e depois são transferidos para a seguinte, retornando para a primeira somente após 27 dias. Nesse período consomem apenas a parte nobre da brachiaria Piatã. Além disso, uma vez por dia, sempre pela manhã, bezerros são apartados das vacas, em um trabalho executado por apenas um peão, e levados para a sua praça de alimentação, onde permanecem por três horas. No local, recebem a suplementação da ração Confinatto 3R.

Esse sistema de manejo , de acordo com Rubinho, é fundamental para os bons resultados da fábrica de bezerros da 3R. “Com esse manejo nos conseguimos diminuir a perda de peso no período da desmama, porque o bezerro além de mamar, vai começar a comer a ração e essa ração vai estimular o desenvolvimento do seu rúmen, e ele vai começar a pastar também. Então ele mama, come o suplemento e ainda pasta. Também facilita a reconcepção das matrizes para o retorno ao cio, desse modo aumenta a taxa de prenhez e a própria produção de bezerros. Além disso, com o apartamento, os animais ficam mais mansos e aprendem o manejo, tanto que apenas um peão faz esse trabalho. Outro aspecto, é o do bom aproveitamento das pastagens, já que os animais ficam apenas três dias em cada piquete, comendo somente a ponta da brachiaria”, ressalta o produtor.

Na ração servida no confinamento e que foi lançada comercialmente neste sábado está a outra ponta do tripé de sucesso da fazenda 3R na produção dos bezerros. O produto, de acordo com o gerente técnico de nutrição da Agroceres Multimix, Rodrigo Meireles, foi desenvolvido após mais de um ano de trabalho de técnicos da empresa na propriedade de Rubinho. Sua elaboração levou em conta a experiência do criador, os resultados que ele precisava obter, as necessidades dos animais e toda a expertise da companhia no desenvolvimento deste tipo de produto. Como resultado foi desenvolvida uma ração peletizada, para facilitar o manejo e evitar o desperdício nos cochos, que recebeu um flavorizante para estimular os animais que ainda mamavam a comê-la, bem como virginiamicina, molécula que proporciona melhor aproveitamento dos nutrientes ingeridos, por eliminar as bactérias geradoras de desperdício, o que assegura incremento de desempenho e da saúde ruminal e intestinal dos bezerros.

O gerente da 3R, disse que os bezerros começam a se alimentar da ração a partir dos 30 dias. Inicialmente é oferecido 100 gramas por dia, em média a cada animal, até chegar a um quilo por dia, no final do ciclo, com os animais atingindo a idade de oito meses. O consumo médio no período gira em torno de 500 a 600 gramas por dia e o ganho médio de peso pode chegar a até 1,2 quilo por dia. Outro aspecto importante do produto, conforme Rosalin, é que seu consumo estimula o desenvolvimento ruminal precoce dos bezerros, levando ao pastejamento, o que também contribui para o ganho de peso e para menor desgaste das matrizes com a alimentação.

Conforme o diretor Comercial e de Marketing da Agroceres Multimix, Ricardo Araujo Ribeiral, os resultados obtidos com a Confinatto 3R na fazenda foram são bons, que o produtor decidiu em conjunto com a empresa liberar a comercialização do que era até então uma ração exclusiva para todo o mercado. “Foi o próprio Rubinho que tomou a iniciativa. Ele achou que deveria compartilhar com outros criadores dos benefícios que esse produto oferecia e a partir desse momento caminhamos para colocá-la no mercado”, comenta ele, revelando que as três plantas da empresas em Campinas (SP), Rio Claro (SP) e Patos de Minas (MG) estão prontas para produzir a ração, mas que a demanda, deve inicialmente ser processada pela unidade mineira. O produto vai ser comercializado em todo o país, mas deve receber um trabalho de divulgação e venda diferenciado em estados onde a empresa tem uma estrutura comercial mais robusta, como Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Minas Gerais, por exemplo.

Resultados

Os excelentes resultados na produção e venda de bezerros super precoces, aliado a todo o investimento em genética feito na propriedade, fizeram com que Rubinho, diversificasse o foco do empreendimento rural. Além dos animais jovens começou a vender também touros PO, criados e selecionados na própria 3R e doses de sêmen de seus principais reprodutores, Atecion da 3R e Influxo Col. Em 2014, a fazenda vendeu 2,6 mil bezerros. Com custo médio de produção de R$ 700, os animais atingiram preço de venda de até R$ 1.550, o que representa um lucro de 121%. Em relação aos touros, foram comercializados diretamente na propriedade no último ano 180 animais, com preço médio de R$ 6 mil. Para 2016 as metas de comercialização são ainda mais ambiciosas: 3 mil bezerros e 300 touros.

Os resultados obtidos na propriedade e o reconhecimento a todo o trabalho desenvolvido tem sido muito importantes, conforme Rubinho. “Esse sistema que desenvolvemos na 3R, que nasceu porque eu queria vencer uma exposição, é uma excelente alternativa para a pecuária do Brasil, porque reduz o período de produção da carne, aumenta a produtividade do rebanho, a rentabilidade do negócio, otimiza a mão de obra da fazenda, produz animais com maior acabamento de carcaça e uma carne com maior valor agregado e de melhor qualidade”, concluiu o produtor.