Canais de Notícia

Agrobussines

Publicada em 21/03/2014

Setor sucroenergético sofre com ausência de políticas públicas

Situação econômica do setor e ações para a competitividades foram temas discutidos nos 2º Canacentro.

Da assessoria

O setor sucroenergético tem se destacado cada vez mais em todo o país, em especial na região Centro-Oeste, passando do 6º para o 2º lugar no ranking de produção nacional. Mato Grosso do Sul está entre os cinco maiores estados em moagem de cana e ocupa 3ª posição em produção de etanol hidratado e 4ª em etanol total. “Apesar dos bons números, o setor perde diante da ausência de políticas públicas que definam o papel do etanol na matriz de combustíveis líquidos e o da biomassa na matriz de energia elétrica”, destacou o diretor de agronegócios do Itaú BBA, Alexandre Figliolino, durante o 2º Canacentro, realizado em Campo Grande (MS).

Figliolino afirma que, em 2012, o prejuízo resultante da não paridade com os preços internacionais, causado pela importação da gasolina, foi da ordem de R$ 1,6 bilhão. Em 2013, esse prejuízo foi de R$ 1,24 bilhão. Para 2014, a perda estimada é de R$ 2,9 bilhões. Apesar desse quadro, a oferta de bioeletricidade de bagaço de cana tem crescido ao longo dos últimos anos, porém muito abaixo do potencial, reflexo dos leilões mais antigos. O preço médio da venda de energia elétrica para biomassa tem caído ao longo do tempo, apesar de leve recuperação nos últimos leilões.

O cenário apresentado desencadeia no setor perdas de investimentos e instalação de novas empresas. “A conta de combustíveis líquidos e energia uma hora vai chegar ao consumidor, e a falta de investimentos na produção de energia limpa pode gerar efeitos muitos danosos no futuro”, comenta o diretor, ressaltando que se o governo investisse na produção de energia de biomassa, haveria maior competitividade para o segmento.

Outro entrave para o setor, principalmente em Mato Grosso do Sul, é o logístico. O Estado fica distante dos principais portos. De acordo com levantamento da Bloomberg, o custo do transporte de açúcar até o porto de Santos pode chegar a R$ 143,00 por tonelada em MS, tendo como ponto de partida o município de Naviraí. Em Ribeirão Preto (SP) o esse valor fica R$ 59,00 mais barato, chegando a R$ 84,00, devido a sua localização geográfica.

Apesar dos entraves, MS apresenta fatores que contribuem positivamente para o setor, como áreas de tamanhos bons; custo de arrendamento mais baixo, havendo forte ocupação dos campos de pastagem (apesar da competição com grãos ser forte em algumas áreas); bons ambientes de produção, com boa produtividade agrícola; unidades modernas, com boa recuperação industrial e cogeração de energia de biomassa. Outro fator positivo são os preços valorizados do açúcar no mercado internacional, com taxa de câmbio positiva para negociações.