Canais de Notícia

Agrobussines

Publicada em 14/03/2014

Fibria/MS alcança a produção de 6 mi de t de celulose em cinco anos

A maior porcentagem da celulose produzida em Três Lagoas é destinada a abastecer o mercado externo.

Da assessoria

Prestes a completar cinco anos de operação, a Fibria conquistou na última segunda-feira (10), a marca de 6 milhões de toneladas de celulose produzidas na Unidade de Três Lagoas.

Com moderna tecnologia de produção e eficiência operacional, a fábrica possui capacidade instalada para produzir até 1,3 milhão de tonelada de celulose de fibra curta por ano. “É importante ressaltar que para chegarmos a marca de 6 milhões de toneladas de celulose em tão pouco tempo, a qualificação e a motivação das pessoas que aqui trabalham foi fundamental. Este fator é um diferencial na Fibria, e contribuiu de forma decisiva para a conquista deste resultado”, explica o gerente de produção de celulose, Alexandre Figueiredo.

Para o gerente-geral da Unidade Industrial, Renato Ottoni, o marco demonstra a excelência operacional da planta seguido do compromisso com a segurança e o desenvolvimento sustentável do negócio e região.

Do total da produção da Fibria/MS, cerca de 14% é destinado ao mercado interno. Os outros 86% são exportados para outros países, sendo a maior parte para a Europa, seguida da Ásia.

Com a celulose fabricada na unidade são produzidos papéis de imprimir e escrever, para fins sanitários e de higiene, como papel toalha, papel higiênico, lenços descartáveis, absorventes, entre outros.

Meio ambiente

Três Lagoas (MS)Por meio da queima de biomassa, a Fibria produz a energia necessária para suprir a demanda de sua produção, de uma empresa vizinha que trabalha com a fabricação de papel e exporta o excedente para o mercado nacional. “Utilizando subprodutos do processo de fabricação da celulose, provenientes de plantios renováveis, a empresa registrou recorde na exportação de energia limpa. No início do ano passado recebeu autorização do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), para elevar a capacidade de produção de energia excedente de 30 para 50 megawatts/hora, e fechou o ano com 277.692 megawatts/hora em exportação”, diz o gerente de recuperação e utilidades, Fernando Raasch.

Apesar da energia elétrica ser um insumo de alto custo e a geração por meio da queima de biomassa ser economicamente viável para a produção de celulose, Raasch explica que o maior ganho adquirido com a geração de energia a partir de combustíveis renováveis é a contribuição para a preservação ambiental. “A Utilização deste tipo de energia, proporciona uma menor emissão de poluentes atmosféricos quando comparado à queima de óleo, e isto inclusive, é considerado na questão da política de crédito de carbono, pois ameniza o clima e contribui com o esforço global para as mudanças climáticas”.

Qualificação profissional

Apenas em 2013, a empresa ofereceu à 6 mil profissionais, mais de 68 mil horas de capacitações técnicas e comportamentais a empregados e à comunidade.

Parcerias como a do Sistema S, têm garantido mão de obra qualificada para Três Lagoas e região. O programa Jovem Aprendiz é outro exemplo de sucesso, capacita os jovens criando oportunidades de ingressar no mercado de trabalho. No não passado, foram realizadas capacitações para as funções de mecânico e operador de máquina florestal.

Sustentabilidade

Nos últimos quatro anos a empresa realizou um investimento superior a R$ 10 milhões no fomento de projetos e programas sociais, que beneficiaram cerca de 30 mil pessoas.

Em 2011, a empresa divulgou um conjunto de compromissos de longo prazo, que sinalizam o seu caminho até 2025. Entre elas estão atingir 80% de aprovação nas comunidades vizinhas e ajudar a comunidade a tornar autossustentáveis 70% dos projetos de geração de renda apoiados pela empresa. “Buscamos crescer junto com a comunidade e acreditamos que desse modo, contribuímos para uma forma mais construtiva de relacionamento, com base no diálogo e no desenvolvimento, que permita a criação e manutenção de um ambiente de confiança e cooperação entre as comunidades e a empresa”, finaliza Ottoni.