Canais de Notícia

Agrobussines

Publicada em 28/02/2014

Produtores de MS têm 30 dias para contrapor laudos da Funai

Produtores rurais da região, insatisfeitos com a precificação das áreas invadidas.

Da assessoria

Dia seis de junho é o novo prazo apresentado pelo Governo Federal para a solução definitiva da compra de terras na região de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti, visando atender a demanda dos indígenas para aumentar a área da reserva Buriti. Produtores rurais da região, insatisfeitos com a precificação das áreas invadidas, têm de seis de março até seis de abril para apresentar laudos contrapondo os estudos apresentados da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Esse foi o cronograma acordado entre produtores rurais e o assessor do Ministério da Justiça, Marcelo Veiga, mediado pelo Governador do Estado, André Puccinelli, nesta quinta-feira (27), em reunião realizada na governadoria.

Depois de finalizado o prazo para a contraposição dos produtores rurais, a Funai e o Incra terão 30 dias para argumentar os valores estipulados para pagamento da terra nua e suas benfeitorias. E, finalmente, em seis de junho deverá ser acertada entre produtores e governo federal a venda das propriedades. Na região Buriti são 15 mil hectares distribuídos em 30 propriedades privadas inclusas nos estudos da Funai, sendo que 20 estão invadidas por indígenas, de acordo com o levantamento da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul).

A pedido do Ministério da Justiça, no dia sete de janeiro deste ano, representantes da Funai, do Incra e da Secretaria do Patrimônio da União (SPU) apresentaram os resultados da avaliação, com critérios próprios, da área de 15 mil hectares. Se efetivada a compra de toda área pretendida, a extensão da terra indígena Buriti passará de dois mil para 17 mil hectares.

Ainda que insatisfeitos com a precificação, os produtores rurais aceitaram o acordo e apresentarão, dentro do cronograma estipulado, os contrapontos técnicos que amparam o valor das terras de região, consideradas de alta produtividade.