Canais de Notícia

Agrobussines

Publicada em 21/02/2014

Nova diretoria da Abimilho prioriza inovação

Entidade quer aumentar a demanda pelo milho no País.

Da assessoria

A Associação Brasileira da Indústria do Milho (Abimilho), entidade que congrega empresas de processamento de produtos à base de milho, acaba de eleger sua nova diretoria para o biênio 2014/15.

O novo presidente da Abimilho é o diretor-executivo da ASA Indústria e Comércio Ltda., Eduardo Henrique de Oliveira e Silva. Administrador de empresas formado pela Universidade Federal de Pernambuco, com MBA em gestão empresarial, Eduardo Henrique está à frente da ASA há 17 anos.

O grupo ASA emprega 1.300 pessoas, distribuídas em quatro parques fabris nas cidades de Recife, Belo Jardim, Petrolina, no estado de Pernambuco e em Campina Grande no estado da Paraíba.

Segundo o novo presidente da entidade, um dos principais objetivos da nova diretoria da Abimilho será focado na identificação de processos e sistemas que resultem em inovação. “Os pratos à base de milho estão definitivamente incorporados ao cardápio do brasileiro, mas precisamos desenvolver novas formulações e apresentações que atendam às exigências do consumidor”, explica Eduardo Henrique.

A busca pela inovação, neste sentido, será empreendida em todas as frentes relacionadas com a alimentação – do campo à mesa, passando pelos processos de produção e processamento. Além de estreitar contatos com órgãos de pesquisa agropecuária, institutos de tecnologia de alimentos, e entidades de nutrição, a Abimilho também está programando a realização de concursos de culinária em parceria com publicações especializadas, com o objetivo de incentivar novas utilizações do milho na cozinha.

“Com estas ações, queremos incrementar a demanda por este nobre cereal, de tantos predicados nutricionais, cujo consumo ainda é relativamente acanhado, quando comparado a de países de condições sócio-econômicas similares às do Brasil”, diz Eduardo Henrique, lembrando que o México consome 63 quilos habitante/ano, enquanto o brasileiro consome 18 quilos por ano. “O espaço para crescer é enorme e estamos dispostos a preenchê-lo”, diz o conclui o presidente da Abimilho.