Canais de Notícia

Agrobussines

Publicada em 07/01/2014

Produção de etanol de milho preocupa agroindústria de SC

Preocupação é com a escassez de milho para as granjas de aves e suínos.

ACAV

A instalação de usinas de processamento de milho para produção de etanol no centro-oeste brasileiro preocupa a agroindústria catarinense. Motivo: pode agravar-se a escassez de milho em Santa Catarina e inviabilizar a produção industrial de aves e suínos.

O alerta é do diretor geral da Associação Catarinense de Avicultura (ACAV) e do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados de Santa Catarina (Sindicarne), Ricardo De Gouvêa.

O dirigente lembra que o Estado de Santa Catarina é um grande e eficiente produtor de carnes de frango e de suínos. O insumo fundamental para a operação dessas gigantescas cadeias produtivas – avicultura e suinocultura – é a ração, elaborada basicamente a partir de milho.

A produção estadual não é suficiente para atender às necessidades das cadeias produtivas de aves e suínos. Por isso, as agroindústrias buscam, a cada ano, cerca de três milhões de toneladas do grão no centro-oeste brasileiro. O alto custo do frete vem ameaçando a competitividade do setor, pois a saca de milho que custa entre 11 e 13 reais no centro-oeste, chega ao sul a 26 reais em território catarinense e 28 reais no Rio Grande do Sul. A situação do Rio Grande do Sul, outro grande produtor de aves, é idêntica.

De Gouvêa mostra que a escassez de milho e as deficiências logísticas se constituem em dois graves gargalos para o desenvolvimento dos setores em Santa Catarina. “A adaptação de usinas para produção do etanol com o uso de milho e o crescente incentivo por parte do Governo de políticas para o aumento da exportação do milho, produzem impacto significativo na competitividade da Agroindústria”.

“O setor transforma o milho em carne, agregando valor ao produto. Somos o Estado pioneiro na produção e na exportação de carne de frango, comercializando o alimento em mais de 150 países”. Por isso, as agroindústrias catarinenses vêm há tempo reivindicando junto ao Governo Federal a realização de mecanismos de apoio à comercialização do produto (PEP E PEPRO) para garantir a oferta de milho com frete subsidiado.

O diretor da ACAV e do Sindicarne teme que a utilização do milho para produção de Etanol aumente a demanda pelo insumo e, dependendo da produção mundial e brasileira, afetará o custo de produção de aves e suínos no Brasil podendo abalar também a competitividade das agroindústrias. Entretanto, Ricardo De Gouvêa entende que tal situação poderá ser minimizada com uma política de incentivo ao comércio interno do grão e a curto prazo, de subsídio ao frete para os Estados que não são autossuficientes e produzem proteína animal.