Canais de Notícia

Agrobussines

Publicada em 07/10/2013

Pesquisador que ajudou a fertilizar o Cerrado recebe cidadania de MS

Ele está sendo homenageado por proposição do deputado estadual Felipe Orro (PDT).

Assembleia Legislativa

O engenheiro agrônomo e PhD em Agronomia Iberê Delmar Gondim Lins, 62 anos, será agraciado com o título de Cidadão Sul-Mato-Grossense em sessão solene que a Assembleia Legislativa realiza na noite desta sexta-feira (4). Iberê Lins é conhecido como o criador da fórmula que possibilitou a fertilização das terras do Cerrado para o cultivo da soja e outras variáveis agrícolas. Ele está sendo homenageado por proposição do deputado estadual Felipe Orro (PDT).

“O Iberê é um orgulho para Mato Grosso do Sul, apesar de ser paulista de Matão. É reconhecido no meio rural pela importância de suas pesquisas que tornaram possível a expansão das fronteiras agrícolas do país e a ocupação do Cerrado pela agricultura. É, portanto, um dos responsáveis pela escalada da produção de grãos dos últimos anos, que colocou o Brasil como celeiro do mundo”, disse Felipe Orro.

As pesquisas de Iberê Lins começaram em 1974, na região de Capão Redondo, hoje a sede do município de São Gabriel do Oeste. “Muita gente não acreditava porque já haviam tentado e a soja não crescia, alcançava porte muito pequeno, inviável para a colheita mecânica”, conta.

Iberê acreditava que com a fertilização em doses corretas seria possível favorecer o desenvolvimento da cultura. Começou os experimentos com 11 variedades de soja, três tipos de adubações diferentes em três épocas de plantios com intervalos de 15 dias entre um e outro.

No primeiro ano da instalação do projeto, em 1975, já obteve resultados animadores, produzindo mais de 50 sacos de soja por hectare com a variedade Industrial. No ano seguinte o experimento se repetiu em 10 hectares com a variedade que mais se destacou. Sua façanha foi testemunhada em matéria da Revista Manchete, da Editora Bloch, que anunciava a implantação da soja no Cerrado.

Como reconhecimento pelo trabalho, em 1978 Iberê Lins ganhou uma bolsa de estudos para fazer mestrado em fertilidade do solo e nutrição de plantas no Departamento de Solos Tropicais da Universidade Estadual da Carolina do Norte, localizada em Raleigh, nos Estados Unidos da América.

Em maio de 1980 terminou seu mestrado com excelente aproveitamento acadêmico e como prêmio recebeu do governo americano uma bolsa para continuar seus estudos e obter o título de PhD na área de ciência do solo. A principal razão de ter recebido essa bolsa de estudos do governo americano para cursar a pós graduação de Ph.D. foi devido ao fato de ter recebido um certificado da Sociedade de Honra da Agricultura Americana GAMMA SIGMA DELTA, em abril de 1980, atestando seu alto desempenho acadêmico durante o mestrado.

Antes disso, retornou ao Brasil e trabalhou como pesquisador por um período de dois anos na Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias). Em 1982, retornou aos Estados Unidos para o curso de Ph.D., o qual concluiu em 1987. Em sua tese desenvolveu um modelo matemático, o que deve ser alimentado pelo teor de argila do solo, teor de fósforo extraível do solo, preço do quilo de fertilizante fosfatado e preço do quilo de soja. Com essas quatro variáveis, o modelo forneceu a dose mais econômica de fertilizante fosfatado para se cultivar soja na região do cerrado brasileiro.

Atualmente, Iberê Lins é diretor presidente da Solos, empresa que gera 15 empregos diretos e mais de 300 empregos indiretos. É casado com Regina Eleusis Silveira dos Santos e tem três filhos: Caio, Leandro e Ruy.